Politica

Candidato liberal condena “saneamento indecoroso” do presidente do Tribunal de Contas

SOL avançou hoje que António Costa despediu Vítor Caldeira por telefone. Tiago Mayan vê esta dispensa como uma consequência dos alertas do TdC à gestão da Administração Central e Local.

O candidato do Iniciativa Liberal às Presidenciais já reagiu à notícia, avançada pelo SOL, sobre o primeiro-ministro ter dispensado o presidente do Tribunal de Contas através de uma chamada telefónica.

Para Tiago Mayan, o “episódio representa um golpe inadmissível na nossa democracia”. O candidato liberal faz questão de sublinhar a ação do Tribunal de Contas, liderado por Vítor Caldeira, defendendo que “tem exercido com credibilidade e isenção a função que lhe está confiada, chamando a atenção repetidas vezes para situações graves na gestão da Administração Central e Local”.

Tiago Mayan destaca ainda o alerta daquela entidade sobre proposta de alteração do Governo do Código dos Contratos Públicos, que na sua opinião foi feito com “com grande sentido de oportunidade”.

“A mensagem foi clara: a ser aprovada, está aberta a porta para mais corrupção e compadrio”, lê-se no comunicado, a que o SOL teve acesso.

“É inaceitável que a resposta seja um ‘saneamento’ indecoroso no conteúdo e na forma do seu Presidente. Não podemos tolerar um ambiente institucional em que ‘quem se mete com o Governo do PS leva’ e em que o Presidente da República, perante isto, ‘come e cala’”, acrescentou o candidato do Iniciativa Liberal.