Economia

Zona euro com excedente de 55 mil milhões

Vendas a retalho sobem em agosto na zona euro e UE . Portugal contraria tendência.

O excedente da conta de operações correntes na zona euro aumentou no segundo trimestre para os 55 mil milhões de euros. Ainda assim, está ligeiramente abaixo do período homólogo, altura em que se fixou nos 56,4 mil milhões de euros. De acordo com as estimativas do gabinete estatístico europeu, este valor representou, no segundo trimestre, 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB, enquanto o dos três primeiros meses do ano pesaram 1,4%. 

A conta de serviços, que estava no primeiro trimestre deficitária (-17,7 mil milhões), registou um saldo positivo de 17,5 mil milhões de euros. Já a conta de rendimentos primários teve um excedente maior (27,6 mil milhões) do que no trimestre anterior, enquanto a conta de rendimentos secundários viu o défice agravar-se para os -44,3 mil milhões de euros. 

Também foi revelado que as vendas a retalho aumentaram em agosto na zona euro e União Europeia (UE), quer em cadeia quer na comparação homóloga. O volume das vendas a retalho subiu 3,7% na zona euro e 3,5% na UE, face a agosto de 2019.

Na comparação com julho, as vendas a retalho subiram 4,4% na zona euro e 3,8% na UE, revelou o Eurostat.
No entanto, Portugal apresenta-se em contraciclo ao apresentar um recuo de 4,4% na variação homóloga e de 1,4% na mensal, o segundo maior da UE.

Face a agosto de 2019, o indicador teve as maiores subidas na Bélgica (12,9%), na Irlanda (9,8%) e na Holanda (8,3%) e as principais quebras na Bulgária (-12,2%), em malta (-7,5%) e na Eslovénia (-6,6%).

Na comparação com julho, a Bélgica (9,6%), França (6,2%) e Alemanha (3,1%) registaram as maiores subidas nas vendas a retalho, enquanto a Roménia e a Eslovénia (-1,6%) e Portugal (-1,4%) apresentaram as maiores quebras.