Economia

Portugueses (e europeus) rendem-se ao consumo online

Estudo do Oney Bank em cinco países europeus – Portugal, França, Itália, Espanha e Alemanha – mostra que a crise pandémica veio alterar os hábitos de consumo dos europeus. Espanhóis (67%), italianos (66%) e portugueses (62%) revelaram ser os maiores compradores online.

O estudo “Consumo pós-confinamento”, realizado pela OpinionWay, do Oney Bank, sobre o comportamento do consumidor desde o início da covid-19 em cinco países europeus – Portugal, França, Itália, Espanha e Alemanha – mostra que a crise pandémica veio obrigar as populações a adaptarem-se economicamente e a mudarem os seus hábitos de consumo

As principais conclusões identificam uma “mudança de hábitos que veio para ficar”, que se caracteriza pelo “aumento da utilização dos canais digitais para consumo”, por parte da população dos países analisados. Espanhóis (67%), italianos (66%) e portugueses (62%) revelaram ser os maiores compradores online, com os produtos alimentares (33%) e o vestuário (27%) a serem os itens mais frequentemente adquiridos, desta forma, pelos portugueses.

“Para além da mera necessidade, a democratização do consumo digital deve-se à facilidade de utilização”, conclui o relatório. Quatro em cada cinco europeus afirmam ter feito, nesta fase, uma mudança de hábitos sem problemas. Os portugueses registaram, aliás, a percentagem mais elevada de conhecimento ou adoção de um novo serviço digital (83%) nos últimos meses.

Apesar do grande entusiasmo pelas compras online, dois terços dos europeus afirmam, porém, que ainda preferem comprar na loja – neste caso, 81% dos inquiridos portugueses ainda mantém esta preferência.