Sociedade

Ângela Ferreira diz-se “orgulhosa do país” depois de ver aprovada procriação assistida pós-morte

Os projetos-lei foram aprovados apenas com o PSD e o CDS a votarem contra. 

DR  

Depois de ter sido aprovada no parlamento a inseminação “post-mortem”, Ângela Ferreira, que pretende engravidar do marido que morreu no ano passado, admite à TVI24 que o casal “nunca teve conhecimento de que não era possível” isto acontecer depois do falecimento.

O tema foi levado ao parlamento devido a uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC) dinamizada pela viúva e que reuniu mais de 20 mil assinaturas para integrar na Procriação Medicamente Assistida (PMA) a inseminação pós-morte.

No início da entrevista, Ângela assumiu que a aprovação na generalidade dos projetos-lei apresentados pelo PS, BE e PCP são “quase devolver um bocadinho da justiça e da paz" de que precisava e disse que está orgulhosa do seu país.

PSD e CDS votaram contra e cinco deputados socialistas abstiveram-se.