Economia

ABANCA obtém lucro de 143 milhões de euros após reforçar provisões em 211 milhões

A entidade formalizou operações de financiamento com garantia pública no montante de 2.753 milhões de euros.

 O ABANCA obteve nos primeiros nove meses do ano um resultado líquido atribuível de 143,4 milhões de euros, após realizar provisões de 210,8 milhões de euros para reforçar a sua posição financeira perante a crise covid-19.

"O banco enfrenta o atual contexto com níveis robustos de capitalização (16,3% do capital total e 1.214 milhões de euros de excesso sobre os requisitos), uma situação de liquidez confortável (rácio LTD de retalho de 96,3% e 10.905 milhões em ativos líquidos), elevados níveis de cobertura (66% de ativos duvidosos e rácio do Texas de 31,0%) e elevada qualidade dos ativos (rácio de morosidade de 2,6%), revela em comunicado.

Ao longo dos últimos trimestres, o banco implementou estratégias proactivas para prestar um apoio abrangente à sociedade, a fim de superar o impacto da crise. Na esfera económica, a entidade formalizou operações de financiamento com garantia pública no montante de 2.753 milhões de euros. Além disso, também aplicou medidas de flexibilização financeira a hipotecas num total de 798 milhões de euros e 381 milhões de euros a outros tipos de financiamento.

Os últimos trimestres também representaram um forte impulso à digitalização da atividade do banco. A 30 de Setembro, o banco registou um aumento de 52,2% no número de transações digitais e continuou a aumentar a sua produtividade por colaborador. Além disso, a especialização e a visão centrada no cliente levaram à captação de mais de 40.000 novos clientes desde janeiro.

Durante os primeiros nove meses do ano, o negócio dos meios de pagamento também registou um crescimento relevante. Só em Espanha, o ABANCA registou um aumento de 12,4% no número de cartões de crédito e de 22,2% nos terminais TPA, números que também foram apoiados pelo forte aumento do volume de transações realizadas com cartões ABANCA e POS.