Sociedade

Pressão sobre UCI sobe mais devagar

O número de doentes internados com covid-19 nos hospitais do SNS bateu novos máximos esta semana e continua a ser esperado um aumento de doentes, mas nos últimos dias houve um abrandamento de uma pressão que estava a ser cada vez mais acentuada. 

No final de outubro, a ministra da Saúde revelou as projeções então elaboradas pelos peritos, que apontavam que esta semana se pudesse chegar aos 444 doentes em cuidados intensivos, o que significaria metade das camas de UCI disponíveis no SNS dedicadas à covid-19, e 2634 doentes em enfermaria. 

Esta sexta-feira, os números eram ainda inferiores: 2085 doentes em enfermaria e 340 em UCI. A pressão continua a ser crescente nos hospitais, em particular no Norte e em Lisboa. Analisando os últimos sete dias percebe-se, no entanto, que esta semana, a subida de doentes em UCI acabou por ser menos acentuada no que na anterior. No global, houve um aumento de 26% nos doentes covid nos hospitais, contra 36% na semana anterior.

Os doentes em UCI subiram 24% na última semana, contra 29% na anterior. Mantendo-se este ritmo, sem agravamentos ou abrandamentos, no final da próxima semana os hospitais poderão chegar aos 3 mil doentes covid-19 internados, 2630 em enfermaria e 420 em UCI.

Se o abrandamento das infeções poderá ir dando mais tempo  às unidades, bem como transferências e altas sociais, uma outra variável que pode ajudar a explicar o abrandamento é o aumento das mortes, que se prevê que continuem a subir dada a incidência da doença na população mais velha nas últimas semanas.

Não é publicada informação sobre quantos doentes covid entram diariamente nos hospitais e quantos saem por ter alta e quantos acabam por falecer, mas muitos dos que morreram nos últimos dias estariam internados. Nos últimos sete dias houve 324 mortes associadas à covid-19 no país, quando nos sete dias anteriores foram registadas 192 mortes.