Sociedade

Covid-19. O recolher é obrigatório mas há 13 exceções

Proibição de sair de casa à noite e aos fins de semana é levantada se for às compras, por exemplo. Recorde de mortes num dia registado esta segunda-feira.


Portugal entrou esta segunda-feira em estado de emergência, devido ao aumento de casos de covid-19, e o Governo decretou o recolher obrigatório, em algumas horas do dia, nos 121 concelhos de maior risco de propagação da pandemia. Durante a semana, não é possível sair de casa entre as 23h e as 5h. E tanto no sábado como no domingo é proibido fazê-lo entre as 13h e as 5h, até, pelo menos, 23 de novembro. Mas há exceções que estão a dar que falar. São 13, entre as quais as deslocações a mercearias e supermercados para fazer compras.

Além disso, também é possível sair de casa para se deslocar ao trabalho ou outras razões profissionais, ir ao médico, à farmácia, para acolhimento de emergência de vítimas de violência doméstica ou tráfico de seres humanos, para assistência a pessoas vulneráveis, deslocações por outras razões familiares -  o cumprimento, por exemplo, de partilha de responsabilidades parentais -, deslocações de médicos-veterinários, outras necessárias ao exercício da liberdade de imprensa, deslocações pedonais de curta duração para passear o animal de companhia e, claro, para o retorno ao domicílio pessoal no âmbito das deslocações referidas anteriormente.

Estas medidas de recolher obrigatório, recorde-se, foram decididas pelo Governo para travar o convívio entre amigos e familiares. “Cerca de 68% a 70% dos casos ocorrem através de convívio familiar ou de convívio social”, sublinhou esta segunda-feira a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, na conferência de imprensa de atualização da informação relativa à infeção pela covid-19 em Portugal, tendo sido registado um recorde do número de mortes em 24 horas (63) e ainda mais 4096 infetados. “É um momento de grande descontração, de grande proximidade e obviamente não estamos a usar máscara. É, portanto, um momento crítico para o contágio”, concluiu Graça Freitas.

No entanto, confessou que os dados sobre os 121 concelhos de maior risco em Portugal ainda não estão totalmente analisados. “Estamos a compilar informação com a maior qualidade possível através do sistema que temos com os serviços partilhados do Ministério da Saúde para conseguir apurar dados por concelho o mais certo e o mais próximo da realidade possível”, adiantou, avançando ainda que a divulgação desses dados vai ser feita “ainda esta semana”.

No Porto, a PSP, recorde-se, identificou esta segunda-feira cerca de 70 pessoas num encontro tuning que ocorreu, no fim de semana, num parque de estacionamento junto à Praça Gonçalves Zarco. Foram levantados “alguns autos de contraordenação por alteração das características das viaturas” e outros “por consumo de estupefacientes”.

Número de internados dispara
Nas últimas 24 horas foram registadas mais 129 pessoas em internamento hospitalar por covid-19, tendo este número voltado a disparar, à semelhança do que aconteceu no dia anterior. Há ainda mais 13 doentes em unidade de cuidados intensivos.

E é a região do Norte que volta a contabilizar o maior aumento do número de infetados, com mais 2265 doentes - segue-se Lisboa e Vale do Tejo, com 1217, a região Centro com outros 379 novos casos, o Alentejo com mais 148 e o Algarve com 60 infetados. Nas ilhas, no arquipélago da Madeira houve 11 casos nas últimas 24 horas e nos Açores mais 16 infetados. No que diz respeito ao número de mortes diárias, também foi no Norte que houve o maior registo, com 33 óbitos.

Os comentários estão desactivados.