Economia

TDT. Altice desmente valores da ANACOM

Operadora diz que, processo de migração não corresponde à realidade dos factos.

 

A Altice desmente os valores avançados pelo presidente da Autoridade Nacional das Comunicações em relação ao processo de migração da Televisão Digital Terrestre (TDT).

De acordo com a entidade liderada por Cadete de Matos, “ o custo final da operação vai ser substancialmente inferior ao custo que a empresa Altice tinha proposto no início e que se vai situar na ordem dos 25 milhões de euros”, acrescentando que “estamos praticamente a chegar ao fim da operação, o custo total da migração da TDT deverá ser inferior a quatro milhões de euros e que estamos a falar de uma poupança muito significativa para o país do ponto de vista desta mudança tecnológica”.

No entanto, de acordo com a empresa liderada por Alexandre Fonseca, o valor apontado pelo regulador para o processo de migração da TDT, “não corresponde, em nada, à realidade dos factos”, acrescentando que é “do bom conhecimento do regulador, o valor referido não consta de nenhuma proposta apresentada pela Altice Portugal. É do conhecimento do regulador que foi este a solicitar à LS Telcom um estudo no âmbito do concurso aberto pela ANACOM relativo ao “alargamento da oferta de serviços de programas na televisão digital terrestre” e no qual foram identificados 21 milhões de euros, pela empresa LS Telcom, como os custos previsíveis para uma solução de simulcast nacional, em que simultaneamente se faria a migração de tecnologia DVB-T para DVB-T2 para aumentar o número de canais de TV de 9 para 20 a 25".

Ou seja, segundo a operadora“o rigor e a seriedade obrigam-nos a desmentir as declarações de Cadete de Matos por estas serem falsas e pretenderem de forma visível denegrir a imagem da Altice Portugal”, acrescentando que a operadora “nunca apresentou uma proposta que incluísse custos numa perspetiva de simulcast nacional”.