Sociedade

Legionela. Presidente da Câmara de Vila do Conde recusa "apontar espingardas"

Surto nos concelhos de Vila do Conde, Matosinhos e Póvoa de Varzim já fez sete mortos. Há 39 pessoas internadas.

“De modo algum me verão a apontar espingardas a quem não conhecemos como causador deste surto”: foi assim que a presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, reagiu ao surto de legionela que está a fustigar a região – assim como os concelhos de Matosinhos e Póvoa de Varzim, no distrito do Porto. Ontem, em declarações aos jornalistas, explicou que se aguardam análises feitas a empresas e hospitais que foram identificados como possíveis origens do surto.

“Temos estado em contacto, acompanhando, com base científica, tudo o que está a acontecer. Não tenho nenhuma suspeita que possa adiantar como a mais provável, porque qualquer empresa ou espaço com chaminés de exaustão está a ser alvo das análises que a saúde está a fazer”, sublinhou, reforçando ainda que “o contacto com a saúde é permanente desde o dia 2 de novembro”.

Este surto já provocou sete mortos e 39 pessoas encontram-se internadas, quatro das quais em cuidados intensivos. No total, 72 foram diagnosticadas com a doença do legionário. Ontem surgiram cinco novos casos no Grande Porto, tendo sido todos recebidos no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos. Só esta unidade hospitalar já prestou cuidados a 41 doentes com legionela.

O Ministério Público, recorde-se, anunciou na quarta-feira a abertura de um inquérito para investigar as causas do surto. “O Ministério Público no DIAP da Procuradoria da República do Porto instaurou inquérito destinado a investigar as causas do surto de legionela sucedido em concelhos do distrito do Porto, nomeadamente em Matosinhos, Vila do Conde e Póvoa de Varzim, tendo em conta as várias mortes já noticiadas como tendo nele a sua origem”, pode ler-se na página do organismo na internet.

O Mar Shopping, em Matosinhos, divulgou que a delegação de saúde pública local esteve no início da semana nas instalações do centro comercial a recolher amostras da água da torre de arrefecimento, repetindo o procedimento em equipamentos semelhantes de outras empresas do concelho.