Politica

Joacine critica valor de multa a André Ventura por discriminação da comunidade cigana: "Preço de um amendoim"

A deputada não inscrita comparou a multa por discriminação a André Ventura ao “preço de um amendoim”.

438,81 euros foi o valor da coima aplicada a André Ventura pela Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR), por um post nas redes sociais que, segundo a CICDR, é uma contraordenação, punível com coima, por "discriminação por assédio em razão da origem étnica".

Joacine Katar Moreira, deputada não inscrita (ex-Livre) criticou, através do Facebook, o valor da multa, que afirma “nem sequer é metade do custo de um 'outdoor' que o Chega tem aos montes espalhados pelo país. 438,81 euros, o preço da multa, é o preço de um amendoim para André Ventura, que cospe sobre uma comunidade inteira há anos e sai impune", le-se,

Katar Moreira não ficou por aí: “Vergonha - sua palavra preferida - é o que devia ter na cara e não tem! E vergonha sinto eu também por saber que toda a violência racista e desinformação tem o custo de 400 euros para este agressor", declarou ainda, definindo André Ventura como “um agressor e não pode sair impune dos seus actos e comentários racistas e xenófobos, para mais enquanto representante eleito”.

De realçar que em causa está uma publicação do líder do Chega onde divulgou dados, sem qualquer fonte, referindo que 90% da comunidade cigana vivia “de outras coisas” e não do trabalho.