Sociedade

Artistas e ativistas unem-se em campanha pela eliminação da violência contra as mulheres

A partir das 20h00 desta terça-feira, 24 de novembro, os participantes publicarão a fotografia da palma da sua mão, esperando que esse gesto traga mais vozes, e mais mãos, à  'Campanha 20/20 - Palmas da mão pela eliminação da violência contra as mulheres' - criada pela ativista Francisca de Magalhães Barros.

Vários artistas e ativistas vão unir-se contra a violência de género e doméstica ao participarem na 'Campanha 20/20 - Palmas da mão pela eliminação da violência contra as mulheres'.

A campanha online, criada pela ativista Francisca Magalhães de Barros para marcar a passagem do Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, que se assinala esta quarta-feira, dia 25 de novembro, consiste em publicar uma fotografia da palma da mão pela eliminação da violência.

“Enquanto ativista pelos direitos das mulheres e contra as violências de género e doméstica, o dia 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, não podia ser só mais um dia! Tal como 2020 não é só mais um ano! No que diz respeito à violência contra as mulheres tem sido um ano muito pesado, contando-se até ao dia de hoje 30 femicídios”, destaca Francisca de Magalhães Barros.

“Como ativista, entendo que 2020 é mais um ano em que é preciso trabalhar para acabar com todas as formas de violência contra as mulheres, pandemia que, em Portugal, se manifesta de através de violência física, moral e psicológica, de abuso e de maus-tratos, em particular, em relações de intimidade. Continuamos a viver em estado de terror, num clima de absoluto terrorismo”, acrescenta.

Assim, “com este pano de fundo, e para marcar a passagem de mais um Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, criei a Campanha 20/20 - Palmas da mão pela eliminação da violência contra as mulheres que, devido à outra pandemia (COVID-19), tem um formato online. A minha mão, as mãos de atores e atrizes, autor@s, realizador@s, diretor@s de ator@s, artistas em geral e ativistas vão assim chegar a outras mãos. Todas e todos assinalando que é preciso parar com a violência de género e contra as mulheres”.

A partir das 20h00 desta terça-feira, 24 de novembro, os participantes publicarão a fotografia da palma da sua mão, esperando que esse gesto traga mais vozes, e mais mãos, a esta campanha.

 Participam na campanha desde o primeiro momento: Alice Frade; Amélia Santos; Ana Arrebentinha; Ana Galvão;  Ana Sofia Martins; Anna Eremin; Catarina Dias; Catarina Furtado; Catarina Peixoto; Diogo Lopes;  Filipe Vargas; Helena Amaral; Inês de Vasconcelos; Inês Herédia; Isaac Alfaite; Isabel Aguiar Branco;  Ivo Canelas; Jacqueline De Montaigne; Joana Brandão; Joana Santos; João Cabral; João Reis;João Vicente; Júlia Palha; Leonor Babo; Leonor Seixas; Lucas Dutra; Lúcia Moniz; Luís Esparteiro; Marco Rodrigues; Margarida Couceiro; Mariana Norton; Marta Coelho; Marta Faial; Maya Booth; Melania Gomes; Miguel Bogalho;  Miguel Somsen; Nilton; Nuno Markl; Patrícia André; Patrícia Reis;  Pedro Hossi;  Pedro Sousa; Pedro Teixeira; Renato Godinho;  Rita Brütt Rita Cruz;  Rita Rugeronni; Rodrigo Paganelli;  Sandra Cristina; Sara Barradas;  Silvia Rizzo; Sofia Aparício; Sofia Ribeiro; Tânia Ganho;Teresa Tavares; Vanda Correia; Vera Kolodzig.

 

Para participar: 

As fotografias devem ser acompanhadas do seguinte texto e hashtags:

#25novembro #dia internacional pela eliminação da violência contra as mulheres

#campanha20/20 - Palmas da mão pela eliminação da violência contra as mulheres!

As mãos, como um stop, mostram que nos importamos!

Em Portugal, até Agosto de 2020, foram assassinadas 20 mulheres e o terror não ficou por aqui! Até Novembro de 2020, foram mais 10. 30 mulheres assassinadas, maioritariamente pelos seus (ex)companheiros, (ex)namorados ou (ex)maridos; maioritariamente em contextos de intimidade e de violência doméstica.

Desde 2004 já houve perto de 570 femicídios em Portugal: 35,6/ano; 2,9/mês. Em média, uma mulher assassinada de dez em dez dias. 

O terrorismo contra as mulheres não pode continuar impune!

Exigimos o fim de todas as violências contra as mulheres e as mãos, como um stop, mostram que nos importamos!

Em 2020 exigimos ação (também) contra a pandemia da violência contra as mulheres.