Sociedade

Estudo revela que só 33% dos portugueses consideram que saúde é prioridade do Governo

97 por cento dos portugueses, revela o estudo, afirmam que a saúde tem uma importância extrema. No entanto, só 33% acreditam que a saúde está nas prioridades do Governo. 

A Apifarma - Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica apresentou na quarta-feira o estudo "Cancro: O que pensam os Portugueses".

97 por cento dos portugueses, revela o estudo, afirmam que a saúde tem uma importância extrema. No entanto, só 33% acreditam que a saúde está nas prioridades do Governo. Por outro lado, o cancro - excluindo a covid-19 - foi a doença mais preocupante para 75 por cento dos inquiridos. Em causa estão fatores como a "taxa de mortalidade elevada" (25%), o facto de "terem ou terem tido familiares com doença oncológica/fator hereditário" (25%), e também o facto de esta ser uma doença que "qualquer um pode ter" (17%).

Relevante é também o facto de mais de dois terços (68%) dos inquiridos acharem insuficiente ou muito insuficiente o investimento do Estado com a área do cancro. 

Na área da acessibilidade, os resultados não são mais otimistas. 44% dos inquiridos acharam que os tempos de espera pela primeira consulta eram "elevados" e 15% que existiam dificuldades em fazer diagnósticos atempados.

O estudo, realizado pela emprega Gfk Metris para a Apifarma, inquiriu 1001 pessoas com 18 ou mais anos, residentes em Portugal continental, entre 27 de outubro e 11 de novembro.