Internacional

Já se sabe como vai ser o Natal em Espanha: convívios até 10 pessoas e sem beijo do menino

Imprensa espanhola avança que diploma que será discutido esta quarta-feira prevê reuniões até 10 pessoas e recolher obrigatório noturno a começar mais tarde na noite de consoada e no réveillon

A imprensa espanhola avança esta quarta-feira as medidas previstas para o Natal e passagem de ano no país vizinho. O diploma desenhado pelo Ministério da Saúde prevê a autorização de reuniões até 10 pessoas, o recolher obrigatório noturno a começar mais tarde, quer na noite de consoada quer na véspera de ano novo, e proibição de deslocações entre comunidades autónomas, sendo no entanto autorizada a deslocação para casa de familiares ou amigos com que se costume passar as festas. O El País, que avança as medidas, escreve que ainda não são definitivas, estando prevista para hoje uma reunião final sobre o tema entre as comunidades autónomas.

O conselheiro de Saúde da Comunidade de Madrid, Antonio Ruiz Escudero, já se manifestou a favor de manter proibições de deslocações apenas ente distritos com maior incidência de covid-19.

As cerimónias religiosas estarão autorizadas, seguindo as regras impostas até aqui. A proposta do Conselho Interterritorial de Saúde recomenda no entanto que se evitem os cantos e manifestações físicas de devoção como o contacto com imagens e esculturas. É o caso do beijo ao menino Jesus na missa de Natal.

Já em relação aos idosos que vivem em lares e instituições, a recomendação é que as saídas pela época natalícia se cinjam a uma única casa, mantendo uma bolha de convívio estável. No regresso aos lares devem fazer o teste do covid-19 e manter vigilância extremo.

É recomendado ainda o reforço da frequência de transportes para evitar aglomerações. 

Recorde-se que o anúncio das medidas para o período do Natal e Ano Novo em Portugal está agora apontado para o próximo sábado. António Costa já deu a entender que poderá haver alterações no horário de recolher obrigatório, que atualmente vigora a partir das 23h nos concelhos com maior incidência de covid-19. O primeiro-ministro disse numa entrevista esta semana que se o Natal não vai ser normal, “a passagem do ano vai ter todas as restrições”. 

 “O desejo era que o Natal fosse um Natal normal. Não vai poder ser. Quanto mais o Natal for à mesa, mais perigoso é porque não há máscaras. Quanto mais pessoas estiverem à mesa, mais perigo de contaminação há", afirmou António Costa ao Observador.

Até aqui o Governo não impôs restrições aos convívios dentro de portas. Eventos e celebrações estão no entanto limitados a cinco pessoas, salvo se do mesmo agregado familiar. A proibição de deslocações entre concelhos vigorou entre 27 de novembro e 2 de dezembro e volta a entrar em vigor às 23h desta sexta-feira, por mais um fim de semana prolongado.