Sociedade

As dez doenças que mais matam em Portugal

Doenças crónicas são cada vez mais a causa de morte. Organização Mundial de Saúde apelou ontem ao reforço da prevenção. Doença de Alzheimer e outras demências são agora a terceira causa de morte na Europa e em Portugal, estima OMS


À margem da pandemia, a Organização Mundial de Saúde publicou ontem novas estimativas mundiais sobre as principais causas de morte em cada país e um balanço de como mudaram nas últimas duas décadas. O apelo é transversal: as doenças não transmissíveis, as chamadas doenças crónicas, representaram em 2019 sete das dez principais causas de morte em todo o mundo. No ano 2000, o peso das doenças infecciosas era ainda muito maior, com apenas quatro doenças crónicas no top 10 das causas de mortes a nível mundial.

Nos países mais desenvolvidos o peso das doenças crónicas já era crescente e se houve melhorias em algumas áreas, desde logo nas doenças do foro cardiovascular, aumentou o peso das demências. Nas estimativas para Portugal, Alzheimer e outras demências ocupam agora o terceiro lugar entre as dez principais causas de morte no país, quando há 20 anos não surgiam no topo nem na análise intermédia feita para o ano de 2015.

A OMS assinala que as doenças do coração se mantêm como a principal causa de morte em todo o mundo há 20 anos, mas a maior subida verificou-se nestes últimos dez anos na região do pacífico. Na Europa, a mortalidade associada a doenças cardíacas baixou 15% ao longo dos últimos 20 anos. Já a mortalidade associada à doença de Alzheimer, cujo o risco aumenta com a idade, aumentou de forma expressiva e surge agora em terceiro lugar entre as causas de morte não só em Portugal mas em toda a Europa e América. As mulheres são afetadas de forma desproporcional, alerta a OMS: 65% das vítimas mortais de demências em todo o mundo são mulheres. A organização alerta também para o aumento da mortalidade associada à diabetes, doença largamente prevenível: as mortes por diabetes aumentaram 70% em todo o mundo entre 2000 e 2019, um aumento mais acentuado entre os homens.

As dez principais causas de morte em Portugal

Se no ano 2000 o AVC era a principal causa de morte em Portugal, com a OMS a estimar 238,2 mortes por cada 100 mil habitantes (cerca de 23 mil mortes por ano), o acidente vascular cerebral surge em 2019 em segundo lugar e com uma redução significativa. Morrem anualmente por AVC cerca de 11 mil portugueses, área em que houve progressos na resposta de emergência com as vias verdes de admissão hospitalar e intervenções terapêuticas.

A doença isquémica do coração, onde se inclui enfarte e angina de peito, ocupava há 20 anos o segundo lugar e passou para o primeiro, mas também com uma redução de 163,9 mortes por 100 mil habitantes no ano 2000 para 125,9 mortes em 2019. Em terceiro lugar surgem então as demências, que a OMS estima que em 2019 representaram 70.3 mortes por cada 100 mil habitantes no país, mais de 7 mil mortes por ano.

As infeções respiratórias, onde se inclui a pneumonia, aparecem em quatro lugar e são a única causa de morte por doenças transmissíveis no top 10 nacional. No ano 2000 representavam anualmente 54,4 mortes por 100 mil habitantes e apesar de terem passado de terceiro para quatro lugar, verificou-se um aumento para mais de 6 mil mortes por ano em 2019.

A quinta causa de morte em Portugal é o cancro do pulmão, traqueia e brônquios, seguindo-se o cancro do cólon e reto - ambos com maior número de mortes do que acontecia há 10 anos e as doenças oncológicas com maior peso na mortalidade no país.

Em sétimo lugar surge a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), com uma ligeira melhoria face ao ano 2000. Na diabetes, oitava causa de morte, o caminho foi o inverso. A doença renal ocupa agora o nono lugar entre as causas de morte, que há 20 anos era ocupado pelo cancro da próstata que deixou de figurar entre as dez principais causas de morte no país. Em décimo lugar surge o cancro do estômago, com menos mortes do que no ano 2000 quando ocupava o sétimo lugar.

As diferenças entre homens e mulheres

Existem e são significativas: nas mulheres, o AVC mantém-se a principal causa de morte. Segue-se doença isquémica cardíaca, alzheimer, infeções respiratórias, diabetes, cancro da mama, cancro do cólon e reto, DPOC, doença renal e hipertensão. Nos homens, a principal causa de morte é agora a doença isquémica do coração. Seguem-se AVC, cancro do pulmão, infeções respiratórias, Alzheimer e demências também já em quinto lugar - mas como no resto do mundo a matar mais mulheres - cancro do cólon e reto, DPOC, cancro da próstata, diabetes e cancro do estômago.

Se a OMS traça estimativas a partir dos dados nacionais para o ano 2019, neste momento ainda só estão codificadas oficialmente no país as causas de morte para o ano de 2018. Nesse ano, revela a análise feita pela Direção Geral da Saúde, que este ano antes de ser declarada a pandemia lançou uma plataforma de monitorização das causas de morte, as doenças do aparelho circulatório foram a causa de morte de 32 700 portugueses, um terço das mortes no país. A doença oncológica vitimou 28 mil pessoas em Portugal neste último ano analisado, o inclui os diferentes tipos de tumores. As doenças do aparelho respiratório representaram 13 276 mortes. Números que ajudam a pôr saúde e doença em perspetiva, mesmo num ano dominado pela covid.

OMS pede foco na prevenção e cuidados primários

“Medir quantas pessoas morrem a cada ano ajuda a avaliar a eficácia dos sistemas de saúde e direcionar recursos para onde são mais necessários”, salientou ontem a OMS, respondendo à questão sobre para que é importante este exercício de avaliar causas de mortes. “Por exemplo, os dados de mortalidade podem ajudar a concentrar as atividades e a alocação de recursos entre setores como transporte, alimentação e agricultura, meio ambiente e saúde”.

A conclusão geral da OMS na análise agora divulgada é a necessidade de reforçar a prevenção e cuidados primários. “Estas estimativas são mais um alerta de que precisamos de rapidamente escala prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças não transmissíveis”, disse, em comunicado, o diretor-geral da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Mostram a urgência de melhorar drasticamente os cuidados de saúde primários de forma equitativa e holística. Cuidados de saúde primários sólidos são claramente a base em que tudo o resto a assenta, desde o combate a doenças não transmissíveis à gestão de uma pandemia global”, apelou.

DEZ PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM PORTUGAL (2019)

1. Doença isquémica do coração
2. AVC
3. Alzheimer e outras dem~encias
4. Infeções respiratórias
5. Cancro do pulmão
6. Cancro do cólon e reto
7. DPOC
8. Diabetes
9. Doença renal
10. Cancro do estômago