Internacional

Mortes por covid-19 aumentaram quase 100% nas últimas semanas na Europa

O diretor-geral da OMS, durante uma conferência de imprensa,  destacou que neste Natal o melhor presente que se pode dar é o "presente da saúde, da vida, do amor, da alegria e da esperança".

A Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu, esta sexta-feira, para que a população tenha uma atenção redobrada durante a celebração do Natal e do Ano Novo para impedir a propagação do novo coronavírus e alerta para o facto de o número de mortes semanais pelo novo coronavírus ter aumentado em 60% nas últimas semanas.

"A época de festividades é um momento de descontração e de celebração, mas não devemos relaxar na nossa vigilância. A celebração pode rapidamente transformar-se em luto se não tivermos os devidos cuidados", alertou o diretor-geral da OMS, durante uma conferência de imprensa, que destacou que neste Natal o melhor presente que se pode dar é o "presente da saúde, da vida, do amor, da alegria e da esperança".

A responsável técnica para a covid-19, Maria Van Kerkhove, disse que o número de mortes tem vindo a aumentar nas últimas semanas mas salienta que este aumento "não está distribuído uniformemente pelo mundo". Houve um aumento de quase 100% na Europa, de 54% no continente americano, 50% em África, 15% no Pacífico Ocidental, 10% no Mediterrâneo Ocidental e 7,5% no Sudeste Asiático, apontou Maria Van Kerkhove. 

Também o diretor do programa de emergências sanitárias da OMS, Mike Ryan, sublinhou que a situação epidemiológica provocada pelo aparecimento do novo coronavírus continua "muito instável" e que a chegada da vacina não é um sinónimo do fim da pandemia. "A vacina terá um impacto na morbilidade e mortalidade, em quem fica doente e com que gravidade, mas o impacto no contágio não será visto até que uma grande parte da população de um país tenha sido vacinada", explicou Mike Ryan.