Economia

Estudo revela que 84% dos consumidores têm comportamentos online de "risco"

Quatro em cinco (84%) consumidores europeus estão dispostos a partilhar informações pessoais para obter grandes descontos, mas só um quarto (25%) está consciente de que as fraudes ocorrem com maior frequência no período do Natal.

“Os cidadãos europeus estão a diminuir os seus gastos financeiros devido à perda generalizada de empregos causada pela pandemia  e passam também menos tempo em lojas físicas para cumprir com as medidas de distanciamento social”. As conclusões surgem com uma nova investigação da Kaspersky – que se dedica à criação de anti-vírus para sistemas informáticos –, que indica que “os consumidores estão também dispostos assumir maiores riscos no que toca à partilha de informações pessoais, com o objetivo de poupar dinheiro neste Natal”.

O estudo revela que 84% dos consumidores não se importam de partilhar dados pessoais com retalhistas, como endereços de email e números de telefone, de forma a obterem um grande desconto nas suas compras festivas. “Com o Natal a aproximar-se, muitos consumidores estão agora a preparar-se para gastar o que podem, tentando, ao mesmo tempo, poupar ao máximo. Mas isto levou a que muitos se preparassem para correr riscos de forma a conseguir aproveitar as promoções”, diz o estudo.

Segundo a Kaspersky, apenas um quarto (25%) dos inquiridos está consciente dos esquemas que costumam acontecer com maior frequência durante as férias de Natal ou em períodos de saldos e não está disposto a correr riscos para obter grandes descontos. Inclusive, menos de um quinto (17%) afirma que só fará compras em grandes marcas para evitar comprometer a sua segurança.

As descobertas da Kaspersky revelam também que apenas uma pequena parte dos consumidores está ciente dos problemas que podem surgir se não forem cautelosos enquanto fazem compras online, especialmente tendo em conta que o período festivo é um cenário favorável para ataques de phishing. Por exemplo, apenas um terço (33%) dos inquiridos afirma que não está disposto a fazer compras através de um website que parece ilegítimo e 29% acredita conhecer os potenciais riscos de segurança que podem advir de marcas desconhecidas que oferecem grandes descontos.

"As compras online são uma forma tentadora e fácil de gastarmos o nosso dinheiro. Emails com ofertas estão sempre a surgir na nossa caixa de entrada e com apenas alguns cliques, os artigos podem ser encaminhados para as nossas casas. Mas, na maior parte das vezes, este pode ser um negócio arriscado. À medida que as marcas vão lançando as suas promoções sazonais, os cibercriminosos estão atentos a qualquer deslize para tirar partido dos consumidores. Tendo em conta o período de crise que atravessamos, quaisquer descontos serão muito tentadores", comenta David Emm, Investigador Principal de Segurança da Kaspersky.

E acrescenta: “recomendamos a todos que estejam atentos e a questionarem se vale a pena partilhar dados em troca de uma promoção. Se não valer, então será apenas um truque para o fazer divulgar os seus dados. Para além disso, os consumidores devem garantir que as transações são genuínas antes de fazer qualquer compra, pois só assim conseguem diminuir o risco de potenciais armadilhas e desfrutar ao máximo do seu Natal.”

“Enquanto fazem as suas compras online, os consumidores interessados em promoções devem permanecer atentos a potenciais esquemas de venda, que permanecerão durante toda a época festiva. Se algo parecer demasiado bom para ser verdade, então é porque provavelmente o é”, conclui o relatório.