Politica

António Costa em isolamento: Os eventos cancelados

Primeiro-ministro cancelou agenda que exigia a sua presença física depois do almoço com Emmanuel Macron. O primeiro teste deu negativo e não tem sintomas.

O primeiro-ministro está em isolamento profilático depois de ter contactado com Emmanuel Macron que está infetado com covid-19. António Costa almoçou esta quarta-feira com o Presidente francês e viu-se obrigado a cancelar toda a agenda que exigia a sua presença física.

António Costa efetuou um primeiro teste na quinta-feira e o resultado foi negativo. O gabinete do primeiro-ministro revelou que António Costa «mantém toda a atividade executiva e a agenda de trabalho não presencial».

Na quinta-feira, presidiu por videoconferência à reunião de Conselho de Ministros e sobre o Plano Nacional de Vacinação de combate à covid-19. As novas restrições devido à pandemia também foram anunciadas ao país por videoconferência.

Foram, porém, cancelados todos os eventos que exigiam a presença física do primeiro-ministro. A deslocação às Forças Nacionais Destacadas (FND) na República Centro-Africana e Mali e as visitas oficiais a São Tomé e Príncipe e Guiné Bissau, previstas para os dias 18 a 20 de dezembro, foram adiadas. António Costa está à espera que «a autoridade de saúde defina o confinamento resultante do contacto de risco»,informou o gabinete do primeiro-ministro, na quita-feira. António Costa escreveu, no Twitter, que se «sente bem e sem quaisquer sintomas».

Até agora, registaram-se dois casos no Governo. O ministro da Ciência e Ensino Superior, testou positivo no mês de outubro. Manuel Heitor nunca teve sintomas da doença e continuou a trabalhar a partir de casa. O ministro do Planeamento, Nelson de Souza, apresentou sintomas ligeiros e deu resultado positivo no final do mês de novembro.

A doença já atingiu outras figuras da vida política. António Lobo Xavier, conselheiro de Estado e antigo deputado do CDS, teve sintomas ligeiros e decidiu fazer o teste que acusou positivo no início do mês de outubro. «As pessoas têm a ideia que os poderosos e conhecidos nunca são infetados, mas isso acontece a todos», disse, na altura, o comentador político.

O_presidente da Juventude Popular, Francisco Mota, mais recentemente, testou positivo ao novo coronavírus. «Infelizmente não consegui fintar, por mais cuidados que tivesse, esta pandemia que afeta todos por igual», escreveu, nas redes sociais, o líder da JP. Francisco Mota apresentou sintomas ligeiros e revelou esta semana que já está curado.

Emmanuel Macron gravou esta sexta-feira um vídeo em que revela que tem sintomas ligeiros como «fadiga, dor de cabeça e tosse seca». Macron vai continuar  a trabalhar nos dossiers prioritários como a gestão da pandemia ou Brexit. «O vírus pode atingir qualquer pessoa, porque eu estava muito protegido, tinha muitos cuidados, respeitei as distâncias, usei máscara e álcool-gel regularmente. E, apesar de tudo isto, apanhei o vírus, certamente num momento de descuido ou de azar», disse o Presidente francês.