Economia

Telecomunicações dominaram reclamações em 2020

Segundo a Deco, o setor das telecomunicações continua a liderar o ranking das queixas. Também os CTT e a TAP foram das empresas com mais reclamações este ano.

As telecomunicações dominaram as queixas em 2020 no portal Reclamar da Deco Proteste. De acordo com a entidade, só dos quatro operadores de telecomunicações foram recebidas mais de 6 mil queixas.

MEO e NOS lideram a lista das empresas mais reclamadas em 2020 na plataforma. “Conflitos relacionados com a fidelização de clientes, a qualidade do serviço e a faturação motivaram grande parte das reclamações recebidas na página”, revela a Deco, acrescentando que, até 15 de dezembro, foram registadas 27.503 reclamações.

Segundo a entidade, só a MEO registou, ao longo deste ano, 2.598 reclamações, enquanto a NOS motivou 2.048 queixas na plataforma Reclamar. A Vodafone, que surge em quarto lugar no ranking das empresas com mais reclamações, contou com 1.349 registos.

Também os CTT foram uma das empresas mais reclamadas este ano (em terceiro lugar), com 1.546 queixas apresentadas até 15 de dezembro. “Atrasos na distribuição postal e problemas no desalfandegamento de encomendas foram as motivações mais frequentes das queixas registadas”, informa a Deco.

Em quinto lugar no ranking surge a TAP, com 1.159 queixas registadas ao longo do ano, num contexto de pandemia que obrigou ao cancelamento de muitas viagens e à alteração abrupta de agendamentos. “As dificuldades sentidas na remarcação de voos e no reembolso de montantes já pagos e as dificuldades de comunicação com a companhia aérea intensificaram a indignação dos consumidores”, refere a entidade, que acrescenta que o segmento de Viagens e Lazer chegou mesmo a motivar a apresentação de 2.293 queixas no portal Reclamar em 2020.

Num ano marcado pelo confinamento e pela intensificação das compras online, também os atrasos com a entrega de encomendas foram uma constante em muitas reclamações. A plataforma Reclamar registou 7.120 reclamações no setor dos bens de consumo, onde se destacam o atraso na receção de produtos adquiridos através da internet e os problemas com a devolução de artigos e com pedidos de reembolso.

“Em média, as empresas demoraram 8 dias a responder às reclamações encaminhadas através da plataforma. Algumas situações obrigaram à intervenção da DECO PROTESTE, que assegurou a mediação dos conflitos de consumo. Em 2020, 79% das reclamações foram encerradas com sucesso”, remata a Deco.