Politica

Marcelo reduz número de pessoas no jantar de Natal em resposta a epidemiologistas

Marcelo Rebelo de Sousa entregou nesta quarta-feira a sua recandidatura ao Tribunal Constitucional e, perante as críticas dos epidemiologistas, o Presidente da República decidiu recuar no número de pessoas previstas para o jantar de Natal.

O atual Presidente da República formalizou, nesta quarta-feira, a sua recandidatura. Ao entregar as assinaturas no Tribunal Constitucional, Marcelo respondeu aos epidemiologistas, em declarações aos jornalistas, sobre a forma como irá celebrar o Natal. 

Pelo facto de "alguns epidemiologistas terem ficado muito sensibilizados com o facto de ter muitas refeições, eu já reduzi a uma. Só haverá uma refeição em casa com cinco pessoas. É o mínimo dos mínimos", assegurou Marcelo, acrescentando que "fica o Natal reduzido a 23 à noite, 24 não haverá nem 25".

Esta contestação deve-se à revelação de Marcelo Rebelo de Sousa, na entrevista dada à TVI nesta segunda-feira, em que disse que estaria reunido com diferentes grupos da sua família nos quatro dias da quadra natalícia.

O atual chefe de Estado agradeceu a todos os que contribuíram para que a entrega das assinaturas no espaço de apenas duas semanas pudesse acontecer. Marcelo acredita que poderá "ver renovada a confiança dos portugueses e eles decidirão" se o atual chefe de Estado deverá continuar no poder da Presidência da República.

O candidato na corrida a Belém disse que não iria “fazer uma campanha atacando nenhum candidato nem nenhuma candidata” e afirmou que iria dizer o que pensa sobre o “futuro do país”, nomeadamente sobre "a crise económica e social aprofundada".

Até ao dia 24 de janeiro, Marcelo vai coordenar as agendas da presidência, em simultâneo com as da campanha de recandidatura, sendo que, em 2021, vão acontecer debates entre os candidatos. Ainda declarou que quer “fazer debates com outros candidatos que não estão na programação existente".