Opiniao

Presidenciais: só falta saber quem será 2º

Será mais ingrato o papel dos moderadores do que o do candidato. Marcelo, habituado aos palcos televisivos, irá ocupar o espaço e colocar os seus oponentes num patamar de inferioridade. 

Por Judite de Sousa

Jornalista

Inevitavelmente, os assuntos da governação nos últimos quatro anos acabaram por dominar as entrevistas aos candidatos presidenciais. Dificilmente poderia ser de outra forma. O Presidente não tem funções executivas e a sua influência incide fundamentalmente no uso da palavra. Dada a boa relação entre Marcelo e António Costa percebeu-se ao longo do mandato que a magistratura de influência foi efectivamente exercida é que, em alguns casos, Marcelo foi a sombra de António Costa.

Nas entrevistas, Marcelo esteve igual a si próprio: bem preparado, apto para responder a todas as perguntas, sem gráficos nem notas em cima da mesa. Foi o candidato-Presidente fiel ao seu estilo, antecipando perguntas, fixando as suas mensagens, não fugindo aos temas. Pela minha parte, gostaria de o ter ouvido mais sobre a fraca oposição que temos (Marcelo chegou a falar por diversas vezes na necessidade de uma oposição forte), sobre fenómenos populistas como o Chega, a exigência de um acordo escrito com PS, PCP e BE para o orçamento de 2022, as consequências devastadoras da pandemia nos planos económico e social, os grandes casos mediáticos pendentes na justiça e o destino a dar ao dinheiro que um dia chegará de Bruxelas.

Com a reeleição garantida, parece não existir grandes dúvidas que Marcelo não terá dificuldades nos debates presidenciais. Será mais ingrato o papel dos moderadores do que o do candidato. Marcelo, habituado aos palcos televisivos, irá ocupar o espaço e colocar os seus oponentes num patamar de inferioridade. Poderão não existir xeque-mate mas também não se esperam grandes confrontos que desequilibrem as contas.

Tenho para mim que os debates mais expectantes serão os de Marcelo/André Ventura e o que colocará frente a frente Ana Gomes/Andre Ventura. Se há algo que esta corrida presidencial tem de interessante é saber quem irá ficar em segundo lugar. E com que argumentos. O resto é previsível.