Cultura

Antevisão 2021: Mais música em casa?

No plano musical, 2021 é ainda um ano em que tudo pode acontecer. Enquanto não acontece, aguardam-se mais lançamentos. Foram afinal eles que, a uma velocidade vertiginosa, salvaram 2020.

Para o setor cultural, como para muitos outros, não haverá memória de um ano tão difícil de prever como aquele que se inicia. Será 2021 o ano da retoma ou ficará ainda irremediavelmente marcado pela travessia de um túnel no qual só no final deste 2020 se começou a avistar um vislumbre de luz? Por cá como por toda a parte permanece a dúvida:_será já em 2021 possível um regresso dos grandes festivais? Depois de um ano em que de grandes eventos em Portugal sobraram apenas os desportivos (exceção para a Festa do Avante), vão sendo com a maior antecipação possível anunciadas datas e cartazes dos festivais que tiveram a sua última edição suprimida.

Para lá dos grandes, o Tremor, que na passada primavera chegou a ter a sua continuidade ameaçada depois de um cancelamento a semanas do seu início, na ilha de São Miguel, adiou já as datas de 2021 para o previsivelmente menos crítico mês de setembro.

Seja ou não 2021 o ano em que os festivais regressam, certo será que não serão exatamente os mesmos num ano que, e isso é garantido, será ainda de combate à pandemia. E que, enquanto não chega esse momento de reunião, não faltará o que ouvir em casa. Entre os mais aguardados lançamentos do ano estão por exemplo o novo álbum de estúdio de Drake, o primeiro desde Scorpion (2018), ou de Lana Del Rey, que se prepara para lançar Chemtrails Over The Country Club. Em estúdio estão também Billie Eilish, Sinead O’Connor, Arctic Monkeys, Robert Plant e The Cure. Taylor Swift, que teria atuado no NOS Alive de 2020 e que neste ano de pandemia e confinamentos lançou dois novos álbuns, prepara-se para um dos seus mais ambiciosos projetos de sempre: regravar todas as músicas dos seus já seis álbuns de estúdio.

No lugar em que a música se encontra com o grande ecrã, aguardam-se também para 2021 as estreias de Everybody’s Talking About Jamie, In The Heights e West Side Story.

Enquanto se espera, que o tempo ainda não está mais do que para isso, fazem-se apostas para as próximas grandes estrelas. E aí há que anotar dois nomes: Holly Humberstone e Gracey, cujo single Alone In My Room (Gone) deu um dos mais inesperados sucessos da pandemia.