Sociedade

PJ investiga morte de brasileira na praia de Matosinhos

Imprensa brasileira confirma que se trata de Angelita, brasileira transexual que estava desaparecida desde o início do ano, quando fez um direto no Instagram dando conta de ameaças. 


O corpo de uma mulher, de 31 anos, foi encontrado, esta segunda-feira, na praia de Matosinhos, distrito do Porto. De acordo com o capitão do Porto de Leixões, citado pela agência Lusa, a Polícia Judiciária (PJ) está a investigar a morte. A mesma fonte adiantou ainda que a vítima é de nacionalidade brasileira e que foi estabelecida uma relação com o caso de uma jovem que estava desaparecida desde o início do ano.

"Fomos alertados de tarde [na segunda-feira] para o aparecimento de um corpo - um surfista viu um corpo a boiar - e coube aos elementos da estação de Salva Vidas de Leixões retirá-lo e entregá-lo à PJ [Polícia Judiciária], que está a investigar", disse Rui Santos Amaral.

"De imediato foi estabelecida a relação com a situação de uma cidadã brasileira que se encontra desaparecida desde o início do ano", acrescentou. "Corresponde na idade [31 anos] e na nacionalidade [brasileira] a um caso que a PJ está a investigar", revelou ainda.

A ocorrência foi registada por volta das 16h30 na praia do Titan.

De realçar que o Jornal de Notícias tinha avançado que estavam a decorrer buscas na praia de Matosinhos depois de terem sido encontrados os objetos pessoais de Angelita, de 31 anos, uma brasileira, transexual, que estava desaparecida desde 2 de janeiro. Também a imprensa brasileira escreve que se trata de Angelita, natural de Goiânia, que estava em Portugal desde 2016.

“À noite, eu vi uma notificação no Instagram dela fazendo uma live. Ela disse que estava sendo ameaçada, mas que não tinha medo. Em seguida, a live pausou. Minha sobrinha chegou a ligar para ela depois e contou que a Angelita estava muito nervosa, olhando para os lados e pedindo para ligar para o marido dela”, contou a irmã da vítima ao Globo News.

Angelita casou dois anos depois de chegar a Portugal. A brasileira morava na zona de Matosinhos, com o marido, e desapareceu depois de dizer que ia visitar uma amiga.