Politica

Marcelo "muito irritado" com autoridades de saúde

Presidente esperava um posição das autoridades de saúde sobre a sua ida ao debate desta noite.

Marcelo Rebelo de Sousa disse, esta terça-feira, que se sentia “muito irritado” com as autoridades de saúde. Em causa está o facto de não ter recebido, “por escrito, uma posição” sobre se podia ou não ir ao debate que decorre esta noite na RTP.

“Eu sinto-me muito irritado porque não me dão, por escrito, uma posição sobre se eu podia ir ao debate ou não. E, portanto, eu não tendo uma posição, esperei, esperei, a primeira posição era que eu podia ir, a segunda era que não, verbalmente, estou à espera de uma reunião, e, na dúvida, vim para casa, para fazer [o debate] de casa, não ia fazer de Belém. O debate não é com o Presidente da República, é com o candidato. O mínimo é haver uma resposta por escrito” das autoridades sanitárias, disse o atual Chefe de Estado e candidato presidencial em declarações à RTP, à chegada à sua residência em Cascais, destacando ainda que quando essa resposta chegar, já não terá tempo de ir até ao Pátio da Galé, em Lisboa, para debater presencialmente com os restantes candidatos.

Assim, Marcelo pediu à RTP "para fazer videoconferência” a partir da sua residência.

“Não sei bem como, tenho de improvisar, e depois tenho de ficar cá, não vou outra vez para Belém, tenho de ficar cá nos próximos dias, enquanto entenderem que devo ficar em isolamento”, acrescentou, admitindo que considerou “legítima a decisão” de permanecer em casa, uma vez que o “Presidente tem de ser tratado como qualquer cidadão comum”. Contudo, defendeu que “merece é uma resposta que diga se pode ir ou não pode ir” ao debate.

É preciso "apurar o que aconteceu", defendeu.