Economia

Portal da Queixa recebeu quase 800 reclamações em janeiro dirigidas ao setor da saúde - o pior mês de que há registo

Portal recebeu uma média de 25 reclamações diárias sobre o setor da saúde - um recorde. SNS lidera as queixas.


Janeiro de 2021 foi o pior mês de sempre relativamente às queixas apresentadas pelos portugueses na área da saúde, de acordo com um estudo do Portal da Queixa.

O estudo em questão revela que foram registadas quase 800 reclamações no passado mês de janeiro, com a maior média diária de queixas dirigidas ao setor da Saúde - cerca de 25 por dia. A maior parte das reclamações dizem respeito ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) e à impossibilidade de ser atendido por um médico.

De acordo com o estudo analítico desenvolvido pelo Portal da Queixa, entre os dias 1 e 31 de janeiro de 2021, foram registadas na plataforma 787 reclamações. Comparativamente com o período homólogo (janeiro de 2020), com 455 queixas registadas, verificou-se um aumento de 73% do número de reclamações.

Segundo o Portal da Queixa, o SNS liderou o foco das queixas com 186 reclamações na plataforma, seguem-se os Hospitais e Centros de Saúde (142), os Planos e Seguros de Saúde (135), os Grupos Privados de Saúde (115), as Farmácias (74), as Clínicas Médicas (29), Laboratórios e análises clínicas (28), Equipamentos e materiais de saúde (27) e Clínicas dentárias (21). Outras entidades registaram 30 reclamações.

Segundo a análise feita, “as reclamações recebidas espelham, sobretudo, a falta de acompanhamento que os doentes precisam e a preocupação em não conseguir atendimento médico, seja presencial ou por teleconsulta. A ‘impossibilidade de ser atendido por um médico’ é o principal motivo de reclamação, gerando 36% das queixas dirigidas ao setor da Saúde. A ‘falta de atendimento telefónico’ é a segunda causa mais apontada pelos consumidores, perfazendo 34.4% das queixas”, revela em comunicado o Portal da Queixa.

De referir que, em 2020, o total de reclamações dirigidas ao setor da saúde foi de 7.277, um aumento de 80% face a 2019.

“O Serviço Nacional de Saúde continua a registar taxas de insatisfação muito elevadas de ano para ano, não demonstrando melhorias contínuas no serviço prestado (…) verificámos indicadores de redução do número de reclamações através dos canais do estado, nomeadamente no Livro Amarelo e de Reclamações, que induzem em erro na interpretação do atual estado do setor, no Portal da Queixa este crescimento é demais evidente, demonstrando não só que os utentes do SNS estão descontentes com o serviço prestado, como também pela desacreditação no regulador de defesa do consumidor, que manifestamente não traduz confiança na resolução dos problemas apresentados”, considerou Pedro Lourenço, diretor-executivo do Portal da Queixa.