Politica

Vice-almirante Henrique Gouveia e Melo é o novo coordenador da taskforce da vacinação

O oficial da Marinha já era o número dois da estrutura, que controlava questões sobre a logística e o planeamento.

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo é o novo responsável da taskforce da vacinação contra a covid-19, ao substituir Francisco Ramos, que se demitiu esta quarta-feira. O oficial da Marinha já era o número dois da estrutura, que organizava a logística e o planeamento.

A decisão foi tomada pelo Governo após a demissão de Francisco Ramos, que dispôs o seu cargo esta terça-feira, em sequência das irregularidades detetadas na vacinação no Hospital da Cruz Vermelha, do qual é presidente da comissão executiva.

"O Governo nomeou o Vice-Almirante Henrique Gouveia e Melo para coordenador da Task Force do Plano de vacinação contra a covid-19 em Portugal. O Vice-Almirante já integrava a equipa que agora passa a coordenar, assumindo funções de imediato", lê-se num comunicado.

Em declarações aos jornalistas, Gouveia e Melo assegura que "se não se sentisse capaz, não tinha aceitado o desafio" de suceder a Francisco Ramos como coordenador do plano de vacinação contra a covid-19.

"É mais um sinal do apoio das Forças Armadas a este processo", avança o responsável. "Estou confiante de que vamos conseguir ajudar a população portuguesa a vacinar-se."

Acerca das vacinações indevidas, Gouveia e Melo diz que era preciso acontecer apenas uma ocasião para ser "lamentável" mas aponta a necessidade de realizar uma análise estatística ao que sucedeu, "Vamos apertar mais as regras".

"A nomeação [como coordenador] será, em princípio, amanhã", adiantou Gouveia e Melo.

"Somos silent service", considera o vice-almirante, que explica que a responsabilidade de executar corretamente o plano de vacinação está e sempre esteve nas mãos do Ministério da Saúde, "Vamos tentar, com a nossa cultura militar, mas com o Ministério da Saúde, responder da melhor forma aos anseios de todos os portugueses”.

Em relação à demissão de Francisco Ramos, o vice-almirante disse que ex-coordenador teve uma atitude "muito honrada" e deixa o resto das dúvidas para Ramos esclarecer.