Sociedade

Número de novos casos de covid-19 é o mais baixo desde 3 de janeiro

Portugal registou hoje 3.508 casos do novo coronavírus e 204 vítimas mortais, tendo ultrapassado os 14 mil óbitos desde o início da pandemia. No entanto, há mais de um mês que o número de novos casos não era tão baixo. 


Portugal registou, nas últimas 24 horas, 3.508 casos do novo coronavírus e 204 vítimas mortais. Com a atualização do boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, publicada este domingo, o país ultrapassou a barreira das 14 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia.

Em relação ao dia de ontem, há menos 2.624 novos casos e menos 10 mortes. Já no que diz respeito ao domingo passado, há menos 5.990 novos casos e menos 99 vítimas mortais. Desde 3 de janeiro que o número de novos casos não era tão baixo.

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região mais afetada pela pandemia, tendo registado 41% (1.435) do total de infeções. Segue-se o Norte com 957, o Centro com 676, o Alentejo com 154 e o Algarve com 142. Nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, registaram-se 136 e 8 novos casos, respetivamente.

À semelhança do número de novos casos, também foi em Lisboa e Vale do Tejo que se registou a maioria das mortes. A região registou 100 óbitos, mais 60 do que no Centro (40) e mais 61 do que no Norte (39). Segue-se o Alentejo com o registo de 13 vítimas mortais e o Algarve com 10. No arquipélago da Madeira morreram duas pessoas.

Às 23h59 de sábado, estavam internadas nos hospitais portugueses 6.258 pessoas infetadas, mais 90 do que no dia anterior. No entanto, há a registar menos 26 infetados internados em Unidades de Cuidados Intensivos, havendo no total 865 doentes.

No último dia, 6.573 pessoas recuperaram da doença, elevando o total, desde o início da pandemia, para 606.166. As autoridades portuguesas já deram conta de 765.141 casos do novo coronavírus – 145.090 dos quais permanecem ativos – e 14.1589 vítimas mortais, desde março de 2020. Há ainda 187.440 contactos em vigilância.

Leia aqui o boletim na íntegra.

Os comentários estão desactivados.