Sociedade

PAN reage a morte de lobo ibérico e cavalo no Gerês: "Ação cobarde e de extrema crueldade"

Bebiana Cunha, deputada do PAN, diz que "falta justiça".

A GNR confirmou, esta terça-feira, que está a investigar a morte de um lobo ibérico e de um cavalo, perto da aldeia de Xertelo, em Montalegre, dentro do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Fonte da GNR de Vila Real explicou, em declarações à agência Lusa, que a força de segurança recebeu uma denúncia de um cidadão que encontrou uma carcaça de um cavalo e, nas imediações, também um lobo, num local ermo e de difícil acesso.

Através das redes sociais, Bebiana Cunha, deputada do PAN, reagiu ao sucedido, defendendo que esta se trata de uma “ação cobarde e de extrema crueldade”.

"Mais uma ação cobarde e de extrema crueldade documentada em imagens no PNPG (Parque Nacional Peneda-Gerês). Um cavalo garrano e um lobo-ibérico foram violentamente armadilhados", escreveu.

"Continuamos com a saga da desproteção ambiental e animal em Portugal. Faltam vigilantes da natureza e meios para agirem. Falta justiça", acrescentou.

De realçar que a GNR está a averiguar se, naquele sítio de acesso apenas apeado, existem indícios de armadilhas e de outros animais mortos.

O lobo-ibérico é uma espécie protegida em Portugal e possui, desde 1990, o estatuto de ameaça de "em perigo".

Segundo Carlos Pontes, fotógrafo que acompanha a espécie protegida no Parque Nacional da Peneda-Gerês, citado pelo jornal O Minho, o cavalo morto foi usado como isco completamente armadilhado de laços para apanhar lobos.

Atenção! As imagens que se seguem podem ferir a suscetibilidade dos leitores mais sensíveis.