Internacional

Governo japonês convida cinco mulheres para reunião do partido apenas para assistir e não para debater

Depois da reunião, as legisladoras tiveram a oportunidade de enviar as suas opiniões por escrito à secretaria do partido.


Durante este mês, as mulheres no Japão têm sido alvo de repressão no seu papel na sociedade. Primeiro pelo então presidente do Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio, que disse que as mulheres falavam demasiado nas reuniões - declarações sexistas, que levaram Yoshiro Mori a renunciar ao cargo - e agora, pelo Partido Liberal Democrata do Japão, que teve uma atitude reprovadora para com as mulheres.

O partido que está no poder decidiu convidar cinco mulheres legisladoras para participarem nas reuniões importantes do conselho constituído exclusivamente por homens, mas com uma regra: não podem falar, apenas ouvir. Depois da reunião, as legisladoras tiveram a oportunidade de enviar as suas opiniões por escrito à secretaria do partido.

O secretário-geral de 82 anos do partido, Toshihiro Nikai, admitiu esta terça-feira que ia permitir mulheres nas reuniões do conselho. Por estar ciente das recentes críticas sobre a dominação absoluta do sexo masculino no órgão superior do Partido Liberal Democrata, Nikai explicou à Reuters que é necessário que as mulheres do partido entendam como se procede às tomadas de decisão.