Economia

Atividade económica acentua redução em janeiro

Restrições e novo confinamento são a causa, revela Instituto Nacional de Estatística.

Com o regresso do confinamento ao país, a atividade económica em Portugal registou uma redução mais acentuada no mês de janeiro. A garantia é dada pelo Instituto Nacional de Estatística.

 “Não considerando médias móveis de três meses, a informação disponível para janeiro, num contexto de novas medidas restritivas de resposta à pandemia, revela uma redução mais acentuada da atividade económica em janeiro face aos meses precedentes”, revela o gabinete de estatística.

Já o montante global de levantamentos nacionais, de pagamentos de serviços e de compras em terminais de pagamento automático na rede multibanco acentuou a variação homóloga negativa: -18,7%, que compara com variações de -7,8% em dezembro e -11,8% em novembro.

No que diz respeito às vendas de veículos automóveis, também estas caíram, registando decréscimos mais acentuados, com taxas de variação homóloga de -30,5% nos automóveis ligeiros de passageiros, -19,2% nos comerciais ligeiros e -20,8% nos veículos pesados.

O INE avança ainda que o indicador de clima económico já disponível para janeiro “registou uma redução, contrariando o aumento observado em dezembro e interrompendo o perfil de recuperação observado entre maio e outubro”.

Já a taxa de desemprego, no quarto trimestre do ano passado, fixou-se em 7,1%, 0,7 pontos percentuais abaixo da taxa observada no trimestre anterior mas 0,4 pontos percentuais acima da registada no período homólogo de 2019.

“O número de desempregados desacelerou significativamente passando de uma variação homóloga de 24,9% no terceiro trimestre para 5,9%”, avança ainda o gabinete de estatística, acrescentando que a taxa de subutilização do trabalho foi inferior em 1,1 pontos percentuais à do terceiro trimestre, fixando-se em 13,8%, abrangendo 750,3 mil pessoas.