Internacional

Empresário Jimmy Lai continua em prisão preventiva em Hong Kong

Esta não é a primeira vez que o crítico do Partido Comunista Chinês vê o seu pedido de liberade sob fiança negado. 

O empresário, e uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong, Jimmy Lai vai continuar em prisão preventiva após o Tribunal Superior ter negado, novamente, um pedido de liberdade sob fiança.

O magnata de meios de comunicação social foi detido ao abrigo da Lei de Segurança Nacional – que criminaliza atos subversivos, secessionistas e terroristas, bem como o conluio com forças estrangeias – em agosto de 2020. 

Segundo o jornal South China Morning Post, Lai vai continuar em regime de prisão preventiva até que um juiz se pronuncie sobre a alegada implicação "em manifestação ilegal" durante os protestos de Hong Kong, em 2019.

Esta não é a primeira vez que o crítico do Partido Comunista Chinês vê o seu pedido de liberade sob fiança negado. Em dezembro, um tribunal da Região Admnistrativa Especial de Hong Kong tinha-lhe concedido o pedido sob fiança e outras condições, mas o Tribunal Superior revogou a decisão.

Lai é acusado de crimes como o "conluio com forças estrangeiras" e de colocar em "perigo a segurança nacional". Num outro processo é acusado da fraude e, na quarta-feira, foi acusado de ajudar doze cidadãos de Hong Kong, capturados na China, que tentavam fugir para Taiwan.