Economia

Banco Montepio com prejuízos de 80,7 milhões em 2020

O banco concedeu 38 mil moratórias que totalizaram 3,2 mil milhões de euros com referência a 31 de dezembro de 2020.

O Banco Montepio registou perdas de 80,7  milhões de euros. A instituição financeira diz que estes resultados foram "influenciados pelo impacto desfavorável induzido pela pandemia do covid-19 materializada, principalmente, no reforço da imparidade para riscos de crédito (77,5 milhões de euros), bem como pelos custos não recorrentes relacionados com o plano de ajustamento em curso (35,1 milhões de euros).

No ano passado, foi concluído o plano de ajustamento para a otimização da rede de balcões, tendo sido encerrados 37 balcões, na rede de retalho. E em resultado do programa de rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas, a que acrescem as reformas por limite de idade, o número de colaboradores reduziu-se em 241.

"No que respeita ao plano de ajustamento do quadro de colaboradores e do número de balcões, em linha com o objetivo estratégico de melhoria da eficiência e da rendibilidade de forma sustentada, foram contabilizados custos e imparidades que, no agregado, ascenderam a 35,1 milhões e que incluem os custos com os programas de reformas antecipadas e de rescisões por mútuo acordo e com o encerramento de balcões", revela em comunicado.

O banco concedeu 38 mil moratórias que totalizaram 3,2 mil milhões de euros com referência a 31 de dezembro de 2020.

A instituição financeira liderada por Pedro Leitão garante que "a performance de negócio permitiu inverter a tendência decrescente do crédito a clientes (bruto) observada na última década, que registou em 2020 uma evolução favorável ascendendo a 12.357 milhões. Este desempenho, que releva um aumento de 336 milhões, traduz o compromisso do Banco Montepio no apoio às famílias, às empresas e às entidades da economia social, destacando-se neste ultimo segmento uma quota de mercado de cerca 75% na linha de crédito protocolada específica para o setor", salienta.

O banco concedeu 367 milhões de euros em crédito com base em linhas protocoladas, sendo que no caso da linha de apoio à economia social a quota de mercado em 31 de dezembro de 2020 ascendia a cerca de 75% das operações contratadas; já os depósitos de clientes ascenderam a 12,502 mil milhões, "situando-se ao nível do valor de 2019, tendo a subida dos depósitos à ordem compensado o desempenho dos depósitos a prazo".

As comissões líquidas contabilizadas atingiram 115,3 milhões, comparando com os 122,6 milhões de euros registados em 2019, "refletindo o menor nível de comissões associadas a meios de pagamento devido à menor transacionalidade aportada pela pandemia, e também a descida das comissões com operações de crédito, dada a redução dos níveis de atividade dos agentes económicos, por um lado, e o efeito das moratórias na originação de novas operações de crédito", diz o banco em comunicado.

No final de 2020, o ativo total do Banco Montepio ascendeu a 17.941 milhões, comparando favoravelmente com o valor de 17.740 milhõerelevado em 31 de dezembro de 2019. "O crescimento da carteira de crédito foi concretizado em simultâneo com a melhoria dos indicadores da qualidade do crédito e, que beneficiaram de uma rigorosa disciplina de tomada de risco de crédito, bem como das medidas que foram aprovadas e adotadas nas áreas de acompanhamento e de recuperação de crédito. Consubstanciando o efeito das referidas medidas, a qualidade da carteira de crédito, avaliada pela proporção dos ativos não produtivos (na sigla inglesa, NPE - non performing exposures) sobre o total do crédito, registou uma evolução favorável tendo o rácio NPE passado de 12,2% em 31 de dezembro de 2019 para 10,4% no final de 2020", refere em comunicado.