Economia

Número de desempregados inscritos sobe para 424.359 em janeiro

O maior aumento deu-se na região do Algarve (+61,3%), seguido de Lisboa e Vale do Tejo (+45,3%) e da região da Madeira com +30%.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego subiu para 424.359 em janeiro, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Este número "representa 71,2% de um total de 596.290 pedidos de emprego".

O total de desempregados registados no país foi superior ao verificado no mesmo mês de 2020 (+103.801 ; +32,4%) e face ao mês anterior (+22.105 ; +5,5%).

Para o aumento do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2020, variação absoluta, contribuíram todos os grupos do ficheiro de desempregados, "com destaque para as mulheres, adultos com idade igual ou superior a 25 anos, os inscritos há menos de um ano, os que procuravam novo emprego e os que possuem como habilitação escolar o secundário".

Do ponto de vista regional, o desemprego registado aumentou em todas as regiões do país. Dos aumentos homólogos, o mais pronunciado deu-se na região do Algarve (+61,3%), seguido de Lisboa e Vale do Tejo (+45,3%) e da região da Madeira com +30%.

No que respeita à atividade económica de origem do desemprego, dos 364.972 desempregados que, no final do mês em análise, estavam inscritos como candidatos a novo emprego, nos Serviços de Emprego do Continente, 73,0% tinham trabalhado em atividades do sector dos 'serviços', com destaque para as 'Atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio' (28,7%); 19,9% eram provenientes do sector 'secundário', particular relevo para a 'Construção' (6,2%); ao sector 'agrícola' pertenciam 4,4% dos desempregados.