Internacional

Princesa Latifa pede ajuda à polícia britânica para libertar a irmã mais velha que também está presa pelo pai

Segundo a carta a que a BBC teve acesso, Latifa explicou à policia de Cambridgeshire que a reabertura do caso pode ajudar a libertar a princesa Shamsa, que tal como ela, foi capturada e mantida em cativeiro pelo pai

A princesa Latifa, que continua detida numa villa controlada pelo seu pai, pediu à policia britânica para abrir novamente o caso sobre o sequestro da irmã mais velha, Shamsa, em Cambridge que aconteceu há mais de 20 anos.

Segundo a carta a que a BBC teve acesso, Latifa explicou à policia de Cambridgeshire que a reabertura do caso pode ajudar a libertar a princesa Shamsa, que tal como ela, foi capturada e mantida em cativeiro pelo pai.

A carta de Latifa foi redigida em 2019, mas só chegou agora à policia britânica pelas mãos dos seus amigos, esta quarta-feira.

“Tudo o que eu vos peço é que, por favor, deem atenção ao caso da minha irmã, porque isso poderá libertá-la”, escreve Latifa, sublinhando ainda que Shamsa “tem ligações fortes com o Reino Unido". "Ela ama o país, todas as suas melhores memórias foram aí passadas".

Latifa registou a carta com a data de fevereiro de 2018, antes da sua tentativa de fuga, para tentar esconder o facto de que estaria a comunicar com o exterior dentro da prisão orquestrada pelo pai Mohammed bin Rashid al Maktoum.

A última vez que Shamsa foi vista em publico tinha 18 anos. Agora, já tem 39 anos e continua desaparecida. Em 2000, a filha do governante do Dubai fugiu da propriedade Longcross do seu pai, em Surrey, e dois meses depois, foi obrigada a sair de Cambridge de helicóptero para França, de seguida reencaminhada para o Dubai.

De acordo com a BBC, a policia de Cambridgeshire começou a investigar o sequestro em 2001 por via de um advogado de imigração contactado por Shamsa. Porém, a policia britânica não conseguiu analisar o caso por terem sido impedidos de entrar no Dubai.

Depois de duas revisões em 2018 e 2020, a policia britânica volta a investigar o caso e está a analisar a carta de Latifa “como parte de revisão”, admitindo que "este é um assunto muito complexo e sério e, como tal, há detalhes do caso que seria impróprio discutir publicamente”.