Sociedade

Empresário que matou homem e queimou o corpo condenado a 24 anos de prisão

Um dos filhos, com 20 anos, foi condenado a 10 anos e quatro meses, beneficiando da atenuação especial de pena para jovens.


Um empresário que matou um homem e queimou o corpo foi, esta terça-feira, condenado a 24 anos de prisão por um tribunal de júri de Vila Nova de Gaia. Um dos filhos, com 20 anos, foi condenado a 10 anos e quatro meses, beneficiando da atenuação especial de pena para jovens.

Ambos foram condenados por homicídio qualificado e profanação de cadáver, sendo que o pai foi também condenado por detenção ilegal de arma proibida. Os dois arguidos terão ainda de pagar 100 mil euros à mãe da vítima – um homem de 35 anos, assassinado a 17 de agosto de 2019, alegadamente por motivos de ciúmes. 

"Na ocasião, o arguido atraiu homem até àquele local, altura em que, aproveitando ser uma área isolada, o surpreendeu, agredindo-o brutalmente na zona da cabeça e pescoço. De seguida, com o objetivo de destruir qualquer vestígio que o ligasse ao crime cometido, o arguido ateou fogo no cadáver", descreveu a Polícia Judiciária, na altura da detenção.

Em tribunal ficou provado pelo júri que os arguidos agrediram a vítima com a intenção de "matá-la" e agiram com "frieza de ânimo".

Segundo a agência Lusa, as defesas dos arguidos vão recorrer do acórdão para o Tribunal da Relação do Porto.