Cultura

Júlio Costa, do Trio Odemira, morre cinco dias após o irmão

Tinha 85 anos.


O músico Júlio Costa, do Trio Odemira, morreu, esta sexta-feira, aos 85 anos. A notícia foi confirmada pelo ator Paulo Vasco à agência Lusa. O irmão, Carlos Costa, morreu no domingo aos 93 anos.

"O músico Júlio Costa morreu hoje, aos 85 anos, cinco dias depois do seu irmão Carlos. Desaparecem assim, num curto espaço de tempo, os elementos fundadores de um dos mais longevos e sem dúvida profícuos grupos da história da música portuguesa", afirmou Paulo Vasco.

O Trio Odemira formou-se em 1958 e contava com uma carreira no mundo da música portuguesa de mais de 60 anos, na qual as suas músicas “Ana Maria” e “Anel de Noivado” foram grandes êxitos.

O grupo constituído pelos três irmãos, Carlos Costa, Júlio Costa e Mingo Rangel, foi o primeiro a gravar um disco com temas populares alentejanos, sem contar com os grupos corais.

O reportório do Trio Odemira inclui várias canções espanholas e sul-americanas, algumas gravadas em Portugal, também temas tradicionais da Beira Baixa e do Alentejo e ainda versões de músicas gravadas por Tony de Matos (1924-1989), Amália Rodrigues (1920-1999) e Max (1918-1980), segundo a Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX.

De acordo com a mesma fonte, o grupo detém recordes de vendas com um Disco de Platina (mais de 140 mil exemplares) e seis Discos de Ouro (mais de 40 mil exemplares, cada).

Em 2019, o trio celebrou os 60 anos de carreira e atuou no Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz. Em 2016, o grupo foi distinguido com o Prémio de Mérito e Excelência Cidade de Moura, na área da Música.