Economia

Groundforce. Alfredo Casimiro aceita aumento de capital mediante novas condições

Na carta enviada esta terça-feira à administração do Grupo TAP, a que o Nascer do SOL ​teve acesso, o presidente da Groundforce anuncia que aceita aumento de capital, mas impõe novas condições para a concretização da operação. TAP nega plano de despedimentos na empresa.

Alfredo Casimiro aceitou a proposta do Grupo TAP para a realização de um aumento de capital da Groundforce e informou que vai acompanhar a operação, mas impôs novas condições para a concretização da operação.

Numa carta enviada ontem à administração do Grupo TAP, a que o Nascer do SOL teve acesso, o presidente da Groundforce – dono de 50,1% da empresa de handling através da Pasogal SGPS, S.A. (os restantes 49,9% pertencem à TAP) – esclarece que  este aumento de capital é “reservado a acionistas, na modalidade de aumento de capital por novas entradas em dinheiro, com emissão de novas ações, a subscrever a um valor por ação baseado na avaliação da SPdH [Groundforce] já feita em 2018 pela Sycomore Corporate Finance, avaliadora sugerida pela TAP SGPS e Portugália e aceite pela Pasogal, avaliação essa a adaptar em função dos impactos da covid-19”.

Recorde-se que esta solução tinha chegado às mãos de Alfredo Casimiro, no último domingo, através de uma carta assinada pelo presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho, e pelo CEO da empresa, Ramiro Sequeira. Na altura, a TAP propunha realizar um aumento de capital de 6,97 milhões de euros, através da emissão de 697 mil novas ações, com o valor nominal de 10 euros – com a Groundforce a passar dos atuais 500 mil euros de capital, para cerca de 7,5 milhões. 

Para a operação avançar – e além do acordo de Governo e da TAP – fica ainda faltar a não oposição das autoridades, nomeadamente a Comissão Europeia e a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC). 

“Esse aumento de capital, a deliberar oportunamente em Assembleia Geral da SPdH [Groundforce], para cuja realização desde já abdicamos dos prazos e formalidades prévias de convocação, terá, naturalmente, como pressuposto a reunião das condições necessárias à preservação e continuidade da empresa, pois só dessa forma se poderá garantir, de forma sustentada, a manutenção dos 2400 postos de trabalho da SPdH [Groundforce]”, lê-se na nota.

Empresário explica penhor. Na carta, Alfredo Casimiro procurou esclarecer a questão que surgiu durante as negociações com TAP e Governo, relacionada com os penhores das ações da Pasogal SGPS, S.A., dados ao Novo Banco e Montepio – situação que travou a injeção na empresa de três milhões da TAP.  

O empresário explicou o “impasse” com o facto de a Pasogal ter proposto que a data para a concretização dos penhores das ações e equipamentos fosse não a data do contrato, mas a data prevista para a constituição efetiva dos penhores,  quando “rodas as declarações e garantias fossem plenamente válidas”. 

Alfredo Casimiro nega que tenha omitido “a existência ou não de penhores ou outros ónus sobre as ações” que detém na Groundforce, e acrescenta que a existência das mesmas “não é, aliás, de forma alguma incompatível com a promessa de uma oneração futura e condicional dessas mesmas ações, como a que foi proposta pela TAP, pelo que não se vislumbra por que razão a redação que propusemos não foi aceite pela TAP.

TAP nega despedimentos. Entretanto, fonte oficial da TAP garantiu ao Nascer do SOL que a companhia não “vai avançar para nenhuma extinção de postos de trabalho na Groundforce” no caso de passar a controlar a empresa. A reação surgiu depois de o nosso jornal ter apurado que o estudo de viabilização da empresa que já estará nas mãos do Governo prevê a saída de 25% dos trabalhadores da Groundforce (ou seja, cerca de 600 trabalhadores). A informação foi, porém, “categoricamente” negada. “O que interessa à TAP, neste momento, é garantir que os 2400 trabalhadores da Groundforce recebam os salários que têm em atraso”, disse a mesma fonte oficial. 

Para quinta-feira, dia em que o tema Groundforce vai ao Parlamento, os sindicatos convocaram “a maior manifestação de sempre de trabalhadores da Groundforce”, para a zona das chegadas do aeroporto de Lisboa.

[Notícia atualizada às 11h58, de quarta-feira, dia 17 de março]