Economia

Nokia prevê eliminar até 10 mil postos de trabalho

Em cima da mesa poderá estar a redução de cerca de 10% da força de trabalho da empresa.

A Nokia prevê cortar até 10 mil postos de trabalho nos próximos anos, com a fabricante de equipamento de telecomunicações à procura de poupanças e a tentar manter a competitividade perante a rival Ericsson.

Com esta medida, a empresa espera reduzir em cerca de 600 milhões de euros a sua base de custos até final de 2023, anunciou a empresa em comunicado divulgado esta terça-feira. As ações da Nokia abriram a sessão a subir 1%, mas já perdem quase 1% na bolsa de Helsínquia.

Em cima da mesa poderá estar a redução de cerca de 10% da força de trabalho da Nokia, que apresentou resultados dececionantes no ano passado, sobretudo devido às previsões que apontam para uma descida das receitas nos próximos anos. A reestruturação irá custar perto de 700 milhões de euros nos próximos dois anos.

Esta decisão faz parte da estratégia anunciada pela companhia finlandesa no passado outubro e que permitirá, segundo a Nokia, criar um novo modelo operacional mais competitivo no mercado. A Ericsson, sediada na Suécia, pretende acelerar a construção das redes 5G mais rapidamente do que o esperado, e deverá antecipar as metas de lucros nos próximos anos.

Segundo o CEO da Nokia, Pekka Lundmark, cada uma das quatro unidades de negócio do grupo identificou “um claro caminho de sustentabilidade e de crescimento dos lucros e estão a reconfigurar as suas bases de custos para investir no seu futuro”.