Economia

CTT. Lucros tombam 42,9% para 16,7 milhões em 2020

Banco CTT deu lucro pela primeira vez. Empresa liderada por João Bento vai propor o pagamento de dividendo de 0,085 euros por ação. 

O lucro dos CTT- Correios de Portugal caiu 42,9% para os 16,7 milhões de euros, no ano passado. A empresa liderada por João Bento explica a quebra dos resultados com a “interrupção do correio” durante os períodos de confinamento e pela consequente “recuperação lenta”. Acresce o aumento dos custos operacionais, face ao crescimento do volume de encomendas, e o “insustentável enquadramento regulatório e de preços” no serviço postal universal.

A empresa postal viu as receitas crescerem 0,7%, para 745,2 milhões de euros. Mas se a rubrica de “correio e outros” caiu 10,8%, para 426,1 milhões de euros, mas o negócio de Expresso e Encomendas disparou 26,6%, para 193 milhões de euros. 

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) caiu 10,8%, para 90,5 milhões de euros.

Os CTT dizem ainda estarem a ser pressionados pelo “insustentável enquadramento regulatório e de preços”, nomeadamente no que diz respeito ao serviço universal postal e para aceitar renovar o contrato com o Estado, as condições terão de “melhorar significativamente”. Recorde-se que a concessão deveria ter terminado a 31 de dezembro, mas foi prolongada até ao final deste ano, por não terem havido condições para uma negociação entre o Governo e a companhia face à pandemia.

Banco e dividendos

O Banco CTT deu lucro pela primeira vez. “Em 2020, num ano profundamente marcado pelo impacto da pandemia de covid-19 no contexto económico, o Banco CTT atingiu pela primeira vez um resultado líquido consolidado positivo”, indicam a empresa. O resultado foi de 200 mil euros.

Os rendimentos, que cresceram 30,5% e alcançaram 82,1 milhões de euros (incluindo 12,9 milhões da 321 Crédito), contaram com a “performance positiva da margem financeira de 44,6 milhões de euros em 2020”, 52,3% acima do alcançado no ano anterior.  As comissões cresceram 4,7 milhões de euros, um aumento de 52,9% face ao ano anterior, o se deve ao aumento de 14,6% das transações, 64,4% do crédito à habitação e 607% das contas e cartões.

O conselho de administração vai então propor aos acionistas o pagamento de um dividendo de 8,5 cêntimos por ação, a pagar no dia 21 de maio. Este valor representa um corte de quase 23% face ao dividendo proposto no ano passado, que foi cancelado por causa da pandemia.