Politica

Os trunfos de Rio para tirar câmaras ao PS

Presidente do PSD apresenta caras conhecidas para disputar Sintra, Gondomar e Gaia.


Rui Rio anunciou esta quarta-feira mais 50 candidatos às eleições autárquicas com a garantia de que concorre com a “expectativa” de ganhar câmaras lideradas pelo PS como Sintra, Gaia ou Gondomar. Não menos difícil é a Câmara do Porto com a provável recandidatura de Rui Moreira, mas o líder do partido admite que o PSD “não tem obrigação de ganhar, mas tem a obrigação de apresentar um excelente candidato”.

O partido aposta em caras conhecidas dos portugueses para concorrer a algumas das maiores câmaras do país que estão nas mãos dos socialistas. António Oliveira, ex-selecionador nacional, é candidato à autarquia de Gaia contra o socialista Eduardo Vítor Rodrigues. O PS venceu as últimas eleições com maioria absoluta e o atual presidente da câmara recandidata-se a um terceiro e último mandato.

Ricardo Batista Leite, deputado do PSD e médico, é o candidato à Câmara de Sintra. Um combate que também não é fácil, com a provável recandidatura de Basílio Horta a um terceiro mandato. O PS conquistou a câmara ao PSD em 2013 e tudo aponta para que volte a apostar no fundador do CDS que pode ainda cumprir mais um mandato.

Em Gondomar, a situação é idêntica. O PS conquistou a Câmara em 2013 e Marco Martins já anunciou a recandidatura a um terceiro mandato. O PSD aposta em Jorge Ascenção, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP), para tentar conquistar a autarquia aos socialistas.

A Câmara do Porto é uma das mais importantes, mas também uma das mais difíceis de vencer. Rui Rio anunciou esta quarta-feira que escolheu Vladimiro Feliz para o combate.

Próximo de Rio, o candidato foi vereador e vice-presidente da autarquia durante o consulado do atual presidente do PSD. Rui Rio assumiu, por isso, que tem “uma responsabilidade maior” nesta escolha e elogiou o candidato por ser “confiável, leal e conhece bem a Câmara do Porto”. A vitória é quase impossível, mas não será difícil melhorar o resultado conseguido há quatro anos, quando o PSD conseguiu apenas 10,39% dos votos.

Rui Rio começou a apresentação dos candidatos com críticas ao PS. Os socialistas acusaram o PSD de querer adiar as eleições por dois meses porque estava atrasado na escolha dos candidatos e Rui Rio lembrou que, até agora, foi o PSD quem apresentou mais candidatos. “Quando disse que as eleições deveriam ser adiadas por 60 dias, disseram que tinha o processo atrasado e não tínhamos candidatos. Quem andou a dizer isso pode engolir qualquer coisa em seco, porque estão aqui 202. Mais ainda, se forem ver o conjunto de notícias versus candidatos do PS, há meia dúzia de notícias de candidatos do PS e dezenas e dezenas do PSD”. A direção do PSD já aprovou 202 candidatos. Falta 106, 76 do continente e 30 das regiões autónomas. 

Oliveira já “não tem nada a ver com o futebol”

Rui Rio não gosta de misturas entre o futebol e a política e já sabia que iria ser confrontado com a escolha de António Oliveira para ser candidato à câmara de Gaia, nas eleições autárquicas previstas para setembro ou outubro. O líder do PSD justificou que o ex-selecionador não tem ligação com o futebol há cerca de 15 anos. “Aquilo que é a promiscuidade entre o futebol e a política é quando os decisores políticos têm ligações ao futebol e vão para os lugares favorecer os seus clubes ou as suas associações. Estamos a falar de alguém que há 15 anos não tem nada a ver com o futebol”. O presidente do PSD aproveitou para atacar Rui Moreira e Eduardo Vítor Rodrigues por integrarem o Conselho Superior do Futebol Clube do Porto, mas insistiu na ideia de que o ex-treinador da seleção não tem atualmente ligações com o mundo do futebol. Rui Rio condena, há muitos anos, as ligações entre política e futebol e criticou António Costa por integrar a Comissão de Honra da candidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. “Sempre achei mal a mistura entre a política e o futebol profissional. No passado combati isso e afastei-me. Hoje até há problemas de ordem judicial metidos nisso”, afirmou, em setembro.