Vida

Jessica Simpson fala com os filhos sobre abusos sexuais que sofreu na infância

"Acho que, como mãe, é muito importante ter tudo em aberto no diálogo", considerou. 

Jessica Simpson revelou, em entrevista ao programa Good Morning America, que os filhos mais velhos têm o seu livro de memórias, ‘Open Book’, lançado em 2020, nas suas mesas-de-cabeceira.

A atriz, de 40 anos, que é mãe de Maxwell, de 8 anos, Ace, de 7, e Birdie, de 2, confessou que não esconde nada dos filhos e que já falou com eles sobre os abusos sexuais de que sofreu na infância, e que são relatados na obra, tal como alguns dos seus antigos relacionamentos e vícios.

"Ambos [os mais velhos] têm o livro ao lado da cama e eles estão a começar a ser leitores muito bons, já leram algumas coisas. Não há nada que esteja fora dos limites. Somos muito abertos como família e, para mim, quando falo sobre abuso sexual e outras coisas, essas coisas aconteceram comigo quando eu era mais nova do que eles são hoje em dia. Então, é algo sobre o qual somos muito abertos", explicou a também cantora.

Jessica Simpson contou que percebeu que tinha de falar com os filhos sobre o assunto depois uma situação ocorrida durante uma sessão de autógrafos em Nova Iorque, no ano passado. "Uma mulher veio até mim com a filha e ela estava a chorar. Então, disse-me: 'o que tu passaste quando eras criança encorajou-me a falar com o meu terapeuta e a ser aberta com a minha família sobre isso”. Foi então que Maxwell questionou a mãe sobre o que a mulher estava a falar, levando Jessica a perceber que estava na hora de falar sobre a sua experiência.

A atriz interrompeu o evento e a partir daquele momento, Maxwell começou a escrever um diário.

"Ela tem escrito no seu diário desde então. Então, é realmente querido", elogiou a cantora, que falou sobre a importância de abordar a educação sexual para que as crianças tenham noção dos limites e fiquem atentas a sinais de abusos.

"Acho que, como mãe, é muito importante ter tudo em aberto no diálogo. Não há nada que seja constrangedor de falar e não há nada do que se envergonhar. E ninguém vai julgar, porque a nossa família é muito próxima", rematou.