Politica

PS pede depoimento por escrito de Passos, Cavaco e Durão na comissão de inquérito do Novo Banco

Socialistas querem também ouvir o ex-comissário europeu Carlos Moedas.

O PS requereu, esta quinta-feira, os depoimentos por escrito do ex-Presidente Cavaco Silva, dos antigos primeiros-ministros Durão Barroso e Passos Coelho, além da audição presencial do ex-comissário europeu Carlos Moedas, na altura secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, na comissão de inquérito do Novo Banco.

O anúncio foi feito no Parlamento pelo coordenador do PS nesta comissão de inquérito, João Paulo Correia, um dia depois da audição de José Honório, ex-administrador do BES e Novo Banco, que, segundo o socialista, revelou que Ricardo Salgado entregou, em 2014, um memorando a cada uma das autoridades políticas a dar conta do "buraco gigante em que estava enfiado o GES".

"Passadas poucas semanas, depois destas reuniões que Ricardo Salgado teve com todas estas autoridades políticas, depois de conhecerem a dimensão do buraco do Grupo Espírito Santo, decorreu o aumento de capital do BES de cerca de mil milhões de euros", sublinhou João Paulo Correia, que lamentou ainda as autoridades políticas, europeias e nacionais, não tenham feito nada “para impedir este aumento de capital que gerou milhares de lesados" em Portugal.

Para o PS, há responsabilidades que "não estão suficientemente esclarecidas por parte destas autoridades políticas".

"Neste sentido, o grupo parlamentar do PS irá requerer o depoimento escrito dos responsáveis políticos que sabiam do buraco do BES antes do aumento do capital e por isso iremos requerer os depoimentos escritos de Cavaco Silva, de Durão Barroso, de Pedro Passos Coelho e iremos requerer a audição presencial do doutor Carlos Moedas, uma vez que os ex-presidentes da República e os ex-primeiro-ministros gozam de uma prerrogativa regimental de só poderem depor por escrito nas comissões de inquérito", informou.