Sociedade

Ordem dos Médicos pede que portugueses mantenham "confiança na eficácia e segurança das vacinas"

Ordem pede ainda que se clarifique "com rigor" a situação de quem aguarda a toma da segunda dose. 

A Ordem dos Médicos pediu, esta sexta-feira, que os cidadãos mantenham a “confiança” nas vacinas contra a covid-19, considerando que adesão ao plano de vacinação é “essencial” para vencer o vírus.

“Os cidadãos podem manter a confiança na eficácia e segurança das vacinas, bem como nas novas recomendações relacionadas com a idade, à luz da atual evidência científica”, lê-se numa nota do Gabinete de Crise para a covid-19 da Ordem dos Médicos, que sublinha que a adesão da população ao Plano Nacional de Vacinação "é essencial" para se conseguir vencer o SARS-CoV-2.

A entidade liderada por Miguel Guimarães pede ainda que seja clarificada com “rigor, transparência e celeridade a situação relacionada com os indivíduos previamente vacinados e que se encontram a aguardar a administração da segunda toma”.

A Ordem considera que o plano de vacinação, a segurança das vacinas e os mecanismos de farmacovigilância são dossiers que devem ser geridos “de forma integrada”.

“A divulgação das decisões sobre as diferentes vacinas deveria ser acompanhada da respetiva fundamentação técnica dos pareceres da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), Direção-Geral da Saúde e Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19, como forma de reforçar a transparência e a tranquilidade junto dos cidadãos”, recomenda, frisando que Portugal, ao presidir o Conselho da União Europeia (UE), “tem a vantagem de poder trabalhar posições de convergência com os vários países, para que a Europa encontre pontos de união, coesão e coerência nas decisões tomadas relativamente às vacinas”.

A Ordem pede ainda que não se esqueça "a proteção dos países mais desfavorecidos", sobretudo a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.