Sociedade

Quase 80 mortos e mais de 13 mil pessoas feridas em acidentes rodoviários em 2020

Foram registados 44.583 acidentes rodoviários, dos quais 32.902 só resultaram danos. Dos restantes 11.680 acidentes, resultaram 78 vítimas mortais, 593 feridos graves e 13.141 feridos ligeiros.

A Polícia de Segurança Pública (PSP) divulgou, este domingo, o balanço da sinistralidade rodoviária de 2020 e do primeiro trimestre de 2021. Durante esse período, mais de um milhão de condutores foram fiscalizados em cerca de 23 mil operações de fiscalização rodoviária.

Em relação a 2019, houve um aumento de 23.636 operações e 911.636 condutores fiscalizados, "porquanto este tipo de ação se revelou de fundamental intervenção no contexto dos Estados de Emergência", justifica a PSP, em comunicado.

Foram registados 44.583 acidentes rodoviários, dos quais 32.902 só resultaram danos. Dos restantes 11.680 acidentes, resultaram 78 vítimas mortais, 593 feridos graves e 13.141 feridos ligeiros.

Lisboa, Porto e Setúbal foram os distritos "com maior prevalência de sinistralidade". Lisboa registou 13.145 acidentes, o Porto 8.159 e Setúbal 3.326.

Em relação às vítimas mortais, a grande maioria (64) ocorreram em Portugal continental, oito na região autónoma da Madeira e seis na dos Açores. Do total de feridos graves, 100 foram registados nos Açores e 67 na Madeira e, dos feridos ligeiros, 538 foram registados nos Açores e 827 na Madeira.

"Em comparação com o ano de 2019, a PSP regista globalmente uma importante redução de todos os indicadores, com menos 29 vítimas mortais, menos 193 feridos ligeiros e menos 5 927 feridos graves", lê-se. No entanto, o distrito de Beja apresentou um aumento: mais 29 sinistros do que em 2019. Houve também um aumento de mortes em Lisboa e Setúbal (mais três) e Castelo e Faro (mais dois).

Esta tendência de diminuição da sinistralidade e das consequências diretas nas pessoas mantém-se em 2021. Até ao momento, comparando com o período homólago, registaram-se 8.385 acidentes (menos 4.101), dos quais 2.173 com consequências pessoais (menos 1.006), de que resultaram 17 vítimas mortais (menos 3), 119 feridos graves (menos 22) e 2.370 feridos ligeiros (menos 1.274).