Politica

"Hoje é de novo primavera", diz Marcelo

Presidente visitou escola no dia em que tem início a terceira de quatro fases de desconfinamento.

Marcelo Rebelo de Sousa assinalou, esta segunda-feira, o início da terceira fase do plano de desconfinamento, nomeadamente com o regresso dos alunos do Ensino Secundário e Ensino Superior às aulas presenciais.

“Hoje é de novo primavera. Foi no dia 15 de março, no 5 de abril, é hoje”, disse, referindo-se às várias fases de desconfinamento. “É recomeçar a vida, é renascer a vida”, assinalou Marcelo, em declarações aos jornalistas, à margem de uma visita à escola Secundária Padre António Vieira, em Lisboa, com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

O chefe de Estado relatou a visita às salas de aula onde se ensinavam as “disciplinas mais variadas” e sentiu “a alegria do reencontro com a vida, com a escola, com a comunidade”. “É isso construir o futuro e a Educação é a peça chave”, disse, sublinhando que é por isso que “o primeiro passo” do desconfinamento passa sempre pelas escolas.

Questionado sobre se este estado de emergência será ou não o último, o Presidente disse que essa é uma análise contínua, “feita todos os dias”, tendo em conta a incidência, os contágios, os internados e os mortos.

“Se fosse por apetecer, há muito não estaríamos em estado de emegência ou estaríamos num desconfinamento muito mais avançado. Mas já passou mais de um mês desde a abertura das primeiras escolas, duas semanas desde a segunda abertura, e o balanço até agora é positivo”, assinalou.

Sobre o processo de vacinação, Marcelo assegurou que as autoridades de saúde vão “fazer os passos que é possível fazer” para que os próximos meses sejam melhores do que os anteriores.

“Estamos metidos no mesmo barco: se correr bem para uns corre bem para os outros. Todos desejamos chegar a bom porto”, disse.

Também Tiago Brandão Rodrigues, que falou antes do Presidente, salientou o “enorme” trabalho feito pelas escolas, autarcas e pais para garantir que o regresso à escola seja feito em segurança.

O ministro anunciou ainda que “esta semana há 300 mil pessoas elegíveis para serem testadas nas escolas”.