Politica

Socialistas criticam exclusão da Iniciativa Liberal no desfile do 25 de Abril

Socialistas lamentam “falta de bom senso” na organização do tradicional desfile na Avenida da Liberdade. PCP critica “polémicas estéreis”.

O tradicional desfile na Avenida da Liberdade continua a gerar polémica devido à decisão de não permitir a participação dos representantes da Iniciativa Liberal. Vários socialistas contestam a decisão da comissão promotora, na qual está representado o PS, e lamentam a “falta de bom senso” na forma como as comemorações populares foram organizadas.

A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, considera que “houve pouca sensibilidade e alguma inabilidade política para gerir esta situação”. No programa Circulatura do Quadrado, na TVI, a socialista lembrou que a Iniciativa Liberal já participa há dois anos no desfile do 25 de Abril e devia ter “havido algum bom senso” para que “todos possam participar, garantindo que as condições de segurança estão asseguradas”.

Pedro Delgado Alves também falou em “falta de bom senso”. O deputado socialista, que participa no programa Sem Moderação, na TSF e Canal Q, defendeu que devia ter sido “assegurado que todos os que queriam estavam de alguma forma presentes”.

Ricardo Gonçalves, ex-deputado socialista, vai mais longe e acusa a comissão organizadora de voltar “a apresentar-se como dona” do desfile. “Há partidos e movimentos de esquerda que com as suas atitudes e mensagens mostram a sua pior face e reforçam estes novos partidos que surgiram na direita portuguesa”, diz o antigo dirigente socialista.

A UGT, que não participa no desfile por discordar da aglomeração de pessoas, também se distanciou da decisão da comissão organizadora. Carlos Silva considerou mesmo que “há erros que se pagam caro”.

Ações provocatórias, diz PCP

Já o PCP congratulou-se com a decisão de as comemorações populares voltarem à rua. Os comunistas, em comunicado, condenam “ações provocatórias de cariz fascizante e outras manobras de diversão que visam animar polémicas estéreis tendo em vista diminuir o alcance e significado das comemorações”.

O PCP realça ainda que “defender e afirmar Abril e os seus valores é tão mais atual quando prossegue a tentativa de branqueamento do fascismo e do que ele representou de opressão e corrupção de um Estado ao serviço dos interesses dos monopolistas e latifundiários”.

A comissão organizadora apela aos populares para respeitarem as regras impostas pela pandemia e já avisou que não poderão integrar o desfile que se realiza no próximo domingo, a partir das 15 horas.

Uma hora e meia depois, a Iniciativa Liberal organiza o seu próprio desfile. Os liberais anunciaram esta quinta-feira que a concentração será às 14 horas, na Praça do Duque de Saldanha.

O desfile começa às 15 horas na Avenida Fontes Pereira de Melo até à rotunda do Marquês de Pombal. O início da descida da Avenida da Liberdade está previsto para as 16h30.

O Livre, que integra a comissão organizadora, ainda disponibilizou alguns dos seus lugares no desfile aos liberais, mas o partido de João Cotrim Figueiredo decidiu promover uma iniciativa própria para assinalar o 25 de Abril.