Internacional

UE vai ter disponível 410 milhões de vacinas para atingir meta de 70% de vacinados até julho

"Vamos multiplicar o número de vacinas por quatro, o que dá uma boa noção desta aceleração" das fábricas de produção dos fármacos na Europa, indicou o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton.

O aumento da produção de vacina contra a covid-19 na Europa vai permitir entregar 410 milhões de doses aos Estados-membros neste segundo trimestre, garantindo assim o objetivo de vacinar 70% dos adultos até julho desde ano.

"No segundo trimestre, teremos 410 milhões de doses de vacinas [contra a covid-19] que serão fornecidas a todos os Estados-membros. Vamos multiplicar o número de vacinas por quatro, o que dá uma boa noção desta aceleração" da produção do fármaco na União Europeia (UE), explicou, esta sexta-feira, o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton.

O anúncio foi feito numa audição conjunta na Comissão de Assuntos Europeus, na Comissão de Saúde e na Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia de covid-19 e do processo de recuperação económica e social, sobre a estratégia de vacinação na UE.

De acordo com o comissário responsável pelo plano de vacinação europeu, a Comissão Europeia pretende "fornecer doses suficientes para que, a meio de julho, o conjunto dos Estados-membros, incluindo Portugal, possam vacinar totalmente 70% adultos europeus com mais de 18 anos".

A meta implementada prevê também que, até ao final do verão, sejam vacinados “todos os adultos que quiserem”, indicou Breton, ao avançar que este 70% de vacinados permite "alcançar números que dizem que a pandemia já está muito diminuída e circunscrita".

Esta aceleração da produção de vacinas surge após “um primeiro trimestre que foi complicado”, visto que houve problemas com a AstraZeneca que “não cumpriu os seus compromissos”, fornecendo apenas 30 das 120 milhões de doses que tinha previsto.

Sublinhe-se que foi nesta audição que se confirmou que Portugal deverá receber perto de 10 milhões de doses no segundo trimestre.

Thierry Breton assinalou o “desafio cientifico” pelo qual a Europa está a ultrapassar, com o desenvolvimento rápido de vacinas e também com o consecutivo aumento de produção, ao realçar o trabalho das 53 fábricas europeias que estão a produzir vacinas 24 horas sobre 24 horas, todos os dias da semana.

"Geralmente, para fazer uma fábrica é preciso entre três a quatro anos. Para transformar fábricas existentes demora entre 18 e 24 meses. Nós conseguimos fazer isso em menos de 10 meses", sublinhou.

Breton também apontou que a Europa é o “único continente” a exportar vacinas para países vizinhos, visto que os Estados Unidos têm uma ordem executiva que os impede de exportar os fármacos até que toda a sua população esteja vacinada.