Desporto

Repórter de imagem da TVI agredido por agente depois do jogo do FC Porto. Vítor Baía pediu desculpa em nome do clube

Repórter da TVI foi agredido por empresário com ligações ao FC Porto. Vítor Baía pediu desculpas em nome do clube e transmitiu que o agente Pedro Pinho estava arrependido do sucedido. A TVI já reagiu e ameaça processar Pedro Pinho.

Um repórter de imagem da TVI foi agredido, no rescaldo do jogo entre o Moreirense e o FC Porto, esta segunda-feira à noite.

A agressão terá ocorrido já no exterior do Parque Desportivo Comendador Joaquim de Almeida Freitas, depois de o jogo terminar sob forte contestação dos 'azuis e brancos' ao árbitro Hugo Miguel, que anulou o golo que daria vitória ao FC Porto já no período de descontos.

Pinto da Costa abordou os jornalistas e terá sido depois disso que o agente Pedro Pinho, que não pertence à estrutura do FC Porto mas tem várias ligações ao clube, agrediu o repórter Francisco Ferreira. O empresário foi identificado por elementos da GNR que estavam no local e abandonou o estádio no seu carro.

Entretanto, a TVI adiantou que o empresário confessou estar “arrependido” e disponível para “ressarcir a TVI”, devido aos danos materiais provocados. Esta posição foi transmitida por Vítor Baía.

Segundo o jornalista da estação Victor Pinto, houve uma "tentativa de dissuasão" relativamente à possibilidade de o repórter de imagem apresentar queixa, mas este manteve a intenção.

A direção de Informação da TVI emitiu um comunicado em que diz repudiar "veementemente a agressão que o seu repórter de imagem Francisco Ferreira sofreu" e apela "às entidades competentes e às forças da manutenção da segurança e da ordem públicas para que se crie condições de proteção das equipas de reportagem que cobrem este tipo de eventos desportivos".

"A TVI distingue a instituição Futebol Clube do Porto de outros agentes e reserva-se a faculdade de proceder judicialmente contra os responsáveis pelas agressões e pelos danos causados ao material de trabalho do repórter de imagem", adianta.

Uma posição partilhada pelo Conselho de Redação da estação de Queluz, que diz ser "inadmissível, injustificável e repudiável a todos os níveis" a agressão a um jornalista no exercício da sua profissão.

Também a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) reagiu ao sucedido e condenou a agressão. "A FPF condena de forma veemente a agressão de que foi vítima um repórter da TVI depois de concluído o jogo entre Moreirense e FC Porto, na segunda-feira à noite. Os espetáculos desportivos devem ser momentos de celebração da paixão pelo jogo e locais em que todos podem exercer as suas funções em liberdade e de forma segura", lê-se numa nota citada pela agência Lusa.