Desporto

Pinto da Costa: "Até o ministro da Educação veio dizer uma coisa absurda. O senhor não deve estar bem"

Dirigente do FC Porto respondeu ao ministro da Educação.

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, considerou que o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, “não deve estar bem”, depois de o governante referir que a agressão ao repórter de imagem da TVI após o jogo entre o Moreirense e o FC Porto merece a mais “veemente condenação”.

“O país quase parou e até o ministro da Educação veio dizer uma coisa absurda. Que é por causa disto que é difícil haver público nos estádios. O senhor não deve estar bem. Deve estar perturbado por haver 1500 alunos sem aulas há um ano ou por a Fenprof ter dito que há professores e trabalhadores do Ministério da Educação que não estão a ser vacinados. E o ministro está agora preocupado porque um repórter foi impedido de trabalhar, o que está mal! E um polícia a ser agredido em serviço? Nunca vi este aparato”, disse, esta quarta-feira, Pinto da Costa, no Porto Canal.

Recorde-se que foi na terça-feira que o ministro comentou o caso ocorrido em Moreira de Cónegos e que envolveu o agente Pedro Pinho.

“O que aconteceu é altamente condenável, absolutamente reprovável e tem a nossa veemente condenação. Toda a violência o tem, seja ela física, verbal ou de outra natureza. Obviamente que a um jornalista toma outra figura: é um crime público, que deve ser punido em termos disciplinares e contraordenacionais, e, no plano da justiça, terá de haver uma atuação inequívoca para que nunca mais volte a acontecer algo desta natureza”, disse Tiago Brandão Rodrigues.

Ontem o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol instaurou um processo disciplinar ao empresário Pedro Pinho, que ficou também com a licença de agente desportivo suspensa preventivamente por 20 dias, o prazo máximo previsto nos regulamentos.

A Procuradoria-Geral da República abriu um inquérito ao caso e a GNR um processo de averiguação à atuação dos militares destacados para o jogo.