Sociedade

500 pessoas uniram-se no Miradouro de São Pedro de Alcântara em Lisboa. PSP não fez detenções

A maioria estava sem proteção facial. 

500 pessoas concentraram-se, a maioria sem máscara, no Miradouro de São Pedro de Alcântara, na madrugada de sábado.

A PSP teve de intervir para que a multidão se dispersasse. No local estiveram “oito a 15 agentes” do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa, já depois da meia-noite.

A força de segurança pública não fez detenções, visto que quando os agentes chegaram ao miradouro, “as pessoas dispersaram”, disse uma fonte desta força policial à agência Lusa.

"O nosso principal objetivo ali era dispersar a multidão, por forma a fazer com que as regras sanitárias [da pandemia] se cumprissem", indicou a fonte.

O alerta foi feito através de “uma chamada” de um cidadão, afirmou uma fonte da direção da PSP à Lusa, tendo os agentes chegado ao local rapidamente.

"Entre o momento do nosso conhecimento e o momento da dispersão passou pouco tempo", afirmou.

Agora, a PSP vai "tentar apurar se se tratou de um movimento espontâneo ou de algo organizado nas redes sociais", avançou a fonte.

Esta força de segurança frisou que “continua a estar em vigor o dever de recolher obrigatório, a obrigação de permanecer na habitação, a não ser quando se verifique uma das exceções que estão elencadas no diploma”, no âmbito da situação de calamidade, que encontrou em vigor neste sábado.

"Se é verdade que podemos deslocar-nos para obtenção de serviços - neste caso, pode ser um serviço de restauração -, depois de usufruirmos do serviço deixa de estar verificada [a justificação para permanecer na via pública]", salientou.

Para além disso, “o uso da máscara, que também não se verificava em parte significativa daquelas pessoas” continua em vigor, tal como a proibição do consumo de bebidas alcoólicas na via pública "uma regra da pandemia, precisamente para evitar a aglomeração de pessoas", acrescentou.