Politica

Rui Rio acusa António Costa de hipocrisia depois das suas afirmações numa entrevista "rasteira"

O líder dos sociais democratas recorreu ao Twitter para responder às várias críticas que o primeiro-ministro disse numa entrevista ao DN, JN e TSF. 


O presidente do PSD, Rui Rio, classificou a entrevista de António Costa ao DN, JN e TSF de “nível rasteiro”, ao acusar o líder socialista de hipocrisia pelas críticas que lhe fez no âmbito da justiça.

"Numa entrevista de nível rasteiro, António Costa critica o meu discurso do 25 de Abril e diz que o PSD quer atacar a independência do poder judicial. Diz isto, na semana em que o Parlamento Europeu o critica pela politização que fez na nomeação do procurador europeu. Que hipocrisia!", disse o líder social democrata numa publicação na rede social Twitter.

O secretário-geral do PS comparou, na entrevista, Rui Rio a “um cata-vento” e alertou para os perigos que os partidos da direita democrática estão a sofrer pela “contaminação do PSD pelas ideias do Chega”.

António Costa confessou que fica “um bocado perplexo com a facilidade com que alguns políticos comentam as decisões judiciais como os adeptos de um clube de futebol comentam a atuação de um árbitro e gostam da decisão se é [a favor] do seu clube e não gostam se não é".

"Os juízes e as magistraturas não são árbitros de futebol e os políticos não estão perante os tribunais como os adeptos de um clube estão perante um árbitro. Essa degradação do distanciamento da relação dos políticos com a Justiça é uma ameaça perigosa à independência do poder judicial", afirmou, ao considerar uma “ameaça efetiva” algumas das propostas de Rio na área da justiça.

Na sessão solene do 25 de Abril, Rio Rio centrou o seu discurso na Justiça, ao pedir “vontade política e ambição” para fazer as reformas necessárias no sistema português.

Já na quinta-feira passada, o Parlamento Europeu disse estar com uma “profunda preocupação” pelas “informações erróneas” enviadas pelo Ministério da Justiça sobre as qualificações e a experiência do procurado José Guerra.

De realçar que José Guerra foi nomeado para procurador europeu português pelo Conselho da União Europeia, ainda que se tenha classificado em segundo lugar.